Governo cria força-tarefa e espera reduzir em 25% casos de doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, em RR

Mais de 800 pessoas entre servidores do governo e militares irão participar de ação de combate ao Aedes neste sábado (15).

O governo de Roraima criou nesta quinta-feira (13) o Gabinete Integrado de Gestão Emergencial para atender municípios em situação de emergência causada pela cheia dos rios do estado.

Entre as principais ações, está uma mobilização contra o Aedes aegypti que irá reunir mais de 800 pessoas neste sábado (15). Com a ação, o governo espera reduzir em 25% o número de caso das doenças transmitidas pelo mosquito.

Fazem parte do gabinete a Defesa Civil, o Corpo de Bombeiros e todas as secretarias do estado. Além disso, o Exército Brasileiro disponibilizou 300 militares e a Aeronáutica 80 para prestar auxílio. O decreto de criação do gabinete tem validade de 90 dias.

“Diante de uma grande epidemia o governo não pode ficar inerte. Estamos fazendo uma força-tarefa para tentar diminuir a incidência dessas doenças. Nesse trabalho que programamos temos a perspectiva de diminuírmos em pelo menos 25% a incidência das doenças”, disse a governadora Suely Campos (PP).

Segundo o governo, nesta sexta (14), 400 servidores do estado e os militares irão passar por um treinamento de combate ao mosquito e no sábado irão percorrer vários bairros da zona Oeste da capital realizando a fiscalização em residências.

Entre os bairro que serão visitados estão o Jardim Caranã, Cauamé, Santa Tereza, Psicultura, Jardim Primavera, Nova Canaã e outros. A expectativa é que 25.300 residências sejam averiguadas neste dia. Na segunda (17), oito carros fumacê irão percorrer os bairros da cidade como forma de dar continuidade à ação.

Segundo a governadora, a demanda dos casos de dengue, chikungunya e zika nos hospitais está grande. Em razão disso o tempo de funcionamento do laboratório de diagnóstico das doenças será ampliado.

Apesar disso, a coordenadora geral de Vigilância em Saúde o estado, Daniela Souza, afirmou que nas unidades não estão faltando remédios e que os médicos foram treinados para realizar o atendimento à população.

‘Vivemos uma epidemia de chikungunya’, diz coordenadora da vigilância Segundo Daniela Souza, o número de casos registrados de chikungunya no estado confirma que Roraima vive uma epidemia da doença.

“A gente recebeu a área do Ministério da Saúde de controle e combate às endemias e pelos dados nós já confirmamos que hoje Roraima vive uma epidemia de chikungunya”.

De acordo com dados fornecidos pela Sesau, em todo o estado, até julho desde ano foram notificados 3.100 casos da doença, sendo que desses, 1.306 foram confirmados.

Nos casos de dengue, foram notificados 2.795 e confirmados 291 casos. Já da zika foram 470 casos notificados e 172 confirmados.

Município de Boa Vista não está fazendo sua parte, diz governo Dos casos confirmados de chikungunya, 83,30% foram na capital. Os de dengue são 47,42% e os de zika chegam a 96,51%. Segundo a governadora, o número é alto porque o “município de Boa Vista não esteja fazendo a parte dele”.

Suely afirmou que são regras do Ministério da Saúde que a prefeitura tem a obrigação de visitar anualmente todas as residências da capital sendo que cada uma delas deve ser visitada sete vezes.

Em 2016, apenas 25,36% das casas teriam recebido vistoria, conforme o governo. Em 2015 o número foi de 64,10%.

Parte do problema, ainda de acordo com a progressista, é que o município possui 300 agentes de endemias a menos do que seria necessário para suprir a demanda da capital.

O G1 entrou em contato com a prefeitura para obter posicionamento acerca das alegações e aguarda retorno.

Outras ações

Além de combater a proliferação do Aedes, o gabinete também irá auxiliar as famílias afetadas pelas cheias no estado realizando a remoção de pessoas de área de risco, distribuição de alimentos e água para as famílias que estão nos abrigos, limpeza das áreas de risco e assistência e prevenção em saúde pública.

Fonte: G1

Deixe um comentário