Famílias do norte do Brasil têm menor renda média mensal por pessoa

Pesquisa feita pelo IBGE mostrou que o rendimento domiciliar por pessoa é de R$ 772 por mês. Além disso, metade dos brasileiros, recebe por mês, em média, 15% abaixo do salário mínimo.
Família de seringueiros, no Acre / Foto: Fábio Pontes

Enquanto no Brasil o rendimento médio domiciliar por pessoa é de R$ 1,2 mil por mês, na região norte do país, onde está o Tocantins, o valor é de apenas R$ 772. A pesquisa foi feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2016, quando o salário mínimo era de R$ 880.

A mesma pesquisa mostrou que metade dos trabalhadores brasileiros, recebe por mês, em média, 15% abaixo do salário mínimo. Dos 88,9 milhões de trabalhadores ocupados em 2016, 44,4 milhões recebiam, em média, R$ 747 por mês.

Esse índice seria reflexo do trabalho informal. Esse é o caso da artesã Olímpia Evangelista, que depende das vendas para ganhar dinheiro e nem sempre consegue ganhar um salário mínimo. “Nem sempre, todo mês varia a renda. Porque depende do fluxo de vendas, de clientes”, disse a artesã Olímpia Evangelista.

A pesquisa mostrou ainda que pelo menos 5% dos trabalhadores entrevistados recebiam só R$ 73 reais por mês. Enquanto isso, 1% tinha rendimento mensal médio de R$ 27 mil. Isso mostra que quem ganha mais, tem rendimento 360 vezes maior do que quem ganha menos.

Uma pequena parcela da população recebe até 360 vezes o valor de quem ganha menos (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Uma pequena parcela da população recebe até 360 vezes o valor de quem ganha menos Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Cenário que se também se vê na região norte do brasil. Para o economista Waldecy Rodrigues, essa parte do país sofre mais com a desigualdade econômica.

 “É uma região ainda primaria-exportadora, baseada na agricultura de larga escala ou no extrativismo e também em pequenas densidades urbanas. Tem uma baixa densidade demográfica, baixa densidade de serviços urbanos. Isso faz com que a economia ainda seja pouco especializada. Poucas empresas tem uma capacidade competitiva grande e isso faz com que as remunerações sejam menores”, explicou.
Fonte: G1 Tocantins
Deixe um comentário