Peixes-bois serão devolvidos à natureza durante expedição no AM

Dez animais que estavam em cativeiro serão reintroduzidos na RDS Piagaçu-Purus.

Última soltura de peixe-boi aconteceu em abril de 2017 (Foto: Luciete Pedrosa/Inpa)
Última soltura de peixe-boi aconteceu em abril de 2017 (Foto: Luciete Pedrosa/Inpa)

Dez peixes-bois serão devolvidos para a natureza durante uma expedição do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC) no baixo Purus, no interior do Amazonas, entre este sábado (31) e 3 de abril. O peixe-boi (Trichechus inunguis) da Amazônia encontra-se ameaçado de extinção.

Segundo o Inpa, os mamíferos reintroduzidos foram vítimas de caça ilegal e estavam em tanques de fibra sob proteção dos cientistas.

“Nossa ideia é levar de maneira inédita dez animais de uma só vez. Normalmente, o Inpa tem reintroduzido de quatro a cinco indivíduos por ano, mas o sucesso das solturas passadas com os animais se readaptando muito bem à natureza, nos permitiu acelerar o processo”, explica o responsável pelo programa de reintrodução, o biólogo Diogo Souza, por meio de assessoria.

O Inpa já reintroduziu aos rios da Amazônia 12 peixes-bois desde que o Programa de Reintrodução de Peixes-Bois do Inpa foi criado há dez anos.

A última soltura aconteceu em abril de 2017, quando foram reintroduzidos cinco animais, três machos e duas fêmeas. Desde 2016, eles são soltos na RDS Piagaçu-Purus, onde as comunidades da unidade de conservação do estado do Amazonas são parceiras do programa.

Expedição

A equipe sairá da sede do Inpa, em Manaus, na madrugada do dia 31 de março (sábado) e deverá chegar ao amanhecer, no lago do semicativeiro, em Manacapuru. Lá, os dez peixes-bois selecionados deverão ser recapturados um a um e transportados de caminhão até o barco, numa distância de 500 metros.

O barco, ancorado às margens do rio Solimões, estará equipado com três piscinas de fibra para acondicionar os animais durante a viagem, que deverá durar 15 horas até a RDS Piagaçu-Purus, localizada entre os interflúvios Purus-Madeira e Purus-Juruá. Engloba os municípios de Beruri, Codajás, Coari, Tapuaá e Anori.

Durante a viagem, os animais serão monitorados pela equipe do LMA, que fará rodízio para avaliação do comportamento dos animais e verificação da frequência respiratória e troca de água das piscinas.

Fonte: G1

Deixe um comentário