Pelo alinhamento das políticas ambientais mundiais

Assumi no último dia três de julho, a presidência do Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável (GTPS) com o objetivo de fortalecer os elos da cadeia da carne no avanço da pecuária sustentável no Brasil. Acredito ser necessário encontrar uma forma de produzir o suficiente para atender a demanda mundial de proteina animal no presente e no futuro, sem colocar em risco nossas riquezas naturais, fundamentais tanto para o próprio negócio, quanto para toda a humanidade.

Nossa realidade hoje é bem diferente de há dez anos, quando o GTPS foi criado. Hoje sabemos que somos uma potência AgroAmbiental, com mais de 60% do nosso território coberto com vegetação nativa e dispondo de uma legislação ambiental moderna e conservacionista. É preciso que as instituições públicas ambientais (estaduais e federais) finalizem as análises de conformidade do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e proporcionem segurança jurídica aos produtores rurais brasileiros. Só através da regularização ambiental, da intensificação sustentável responsável (baixo carbono) e da criação de mecanismos que mensurem a sustentabilidade, o Brasil conquistará o respeito internacional que merece.

Quero contribuir para provar que é possível o setor produtivo e ambiental – com o apoio dos outros grupos (instituições financeiras, indústrias, varejo/restaurantes e insumos/serviços) – atuarem em uma agenda comum que agregue valor a produção sustentável, a biodiversidade e ao Brasil. Para isso vamos captar recursos para os projetos do GTPS junto a agências governamentais, fundos de impacto, associações de produtores, indústrias, varejo e fundações, buscando sempre garantir a idoneidade, transparência e o fortalecimento da confiança entre os elos toda a cadeia da pecuária.

Por isso, um dos principais desafios do GTPS é fortalecer ferramentas como o Guia de Indicadores da Pecuária Sustentável (GIPS), que permitem a identificação e mensuração dos atributos de sustentabilidade de todos os setores da cadeia (e não apenas dos produtores rurais). A partir do momento que o produtor obtiver ganhos financeiros resultantes da adoção de práticas sustentáveis de produção e conservação, criamos um ambiente de motivação econômica para que os outros produtores adotem essas mesmas práticas.

Com base nesses indicadores, também poderemos nos apresentar ao mercado mundial e pressioná-lo, se for preciso até via Organização Mundial do Comércio (OMC), a valorizar realmente nosso produto “carne sustentável” e os serviços ecossistêmicos prestados pelas reservas florestais em nossas fazendas. Desta forma, o Brasil deve caminhar para ocupar o lugar que merece na geopolítica mundial, uma potência AgroAmbiental essencial para a segurança alimentar e ambiental de toda a humanidade.

Sobre o GTPS

Em formato de Mesa Redonda, o Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável (GTPS) é a primeira associação mundial sobre práticas sustentáveis na cadeia da carne bovina e referência para países como Estados Unidos, Canadá, Colômbia, Paraguai, Argentina e Austrália. O GTPS, formado por representantes de diferentes segmentos que integram a cadeia de valor da pecuária bovina no Brasil, tem como missão promover o desenvolvimento da pecuária sustentável por meio da articulação da cadeia, melhoria contínua e disseminação de informação.

Estão representados no GTPS produtores rurais de todos os estados do país, 73% dos abates do Serviço de Inspeção Federal (SIF) e 92% do volume das exportações de carne bovina. A instituição também tem representação de diversas ONG’s que atuam com responsabilidade socioambiental nas principais cadeias de commodities do agro no mundo, bem como de 70% do mercado brasileiro de insumos e serviços. Em 2016, mais de R$ 170 bilhões em crédito rural oferecido ao setor foram originários de instituições financeiras representadas no GTPS e mais de 2 milhões de pessoas são atendidas diariamente no Brasil por empresas de varejo que integram a mesa redonda.

Por Caio Penido, Presidente do GTPS
Fonte: GTPS

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.