Ações agressivas e imediatas na redução das emissões de CO2 são fundamentais para garantir um clima tolerável para as gerações futuras

Restam poucos caminhos para um futuro climático aceitável sem ação imediata, de acordo com estudo.

Um novo estudo abrangente sobre a mudança climática analisou modelos do futuro potencial da humanidade, e poucos preveem uma Terra que não se aqueceu severamente. Mas com ação imediata e alguma sorte, há caminhos para um futuro climático tolerável, de acordo com uma equipe de pesquisa liderada pela Tufts University.

Ao adaptar um modelo computacional popular de avaliação das mudanças climáticas para melhor esclarecer as incertezas na atividade humana e a sensibilidade da atmosfera aos níveis de dióxido de carbono, os pesquisadores criaram um novo método para explorar as conseqüências de diferentes mudanças climáticas para melhor informar as decisões políticas. O trabalho é detalhado em um artigo publicado hoje na revista Nature Climate Change.

Embora os modelos de avaliação modernos integrem a atividade humana e o clima, dentro de cada um existem incertezas que podem afetar o resultado do modelo. Por exemplo, incertezas no crescimento populacional, na economia, no avanço tecnológico e na sensibilidade do clima aos gases de efeito estufa podem afetar os resultados previstos de políticas e leis criadas para conter o aquecimento global. O modelo melhorado descrito no estudo ajudou a identificar cenários que levaram a um futuro climático mais tolerável, explorando uma ampla gama de variações dentro de cada incerteza.

“As conseqüências do aquecimento severo podem ser terríveis. Dado este potencial para resultados ruins, pode ser perigoso considerar apenas alguns cenários selecionados por especialistas”, disse Jonathan Lamontagne, Ph.D., professor assistente de Engenharia Civil e Ambiental da Universidade Tufts e principal autor do estudo. “Os planejadores precisam de estruturas robustas que explorem amplamente o espaço de incerteza para sinergias imprevistas e mecanismos de falha.”

O modelo usado no estudo explica as incertezas na atividade humana e no clima explorando milhões de cenários, alguns dos quais revelam caminhos para um mundo onde o aquecimento é limitado a 2 graus Celsius até o ano 2100 – um objetivo que a maioria dos especialistas em clima exige para um futuro “tolerável”.

A análise maciça mostra que o cumprimento dessa meta é excepcionalmente difícil em todos, exceto nos cenários climáticos mais otimistas. Um caminho é buscar imediatamente e agressivamente a produção de energia neutra em carbono até 2030 e esperar que a sensibilidade da atmosfera às emissões de carbono seja relativamente baixa, de acordo com o estudo. Se a sensibilidade climática não é baixa, a janela para um futuro tolerável se estreita e, em alguns cenários, pode já estar fechada.

Os pesquisadores enfatizam que as estratégias rápidas de redução de carbono fornecem uma proteção contra a possibilidade de cenários de alta sensibilidade climática.

“Apesar das enormes incertezas em vários setores, as ações humanas ainda são o fator determinante na determinação do clima de longo prazo. A incerteza é às vezes interpretada como uma desculpa para adiar a ação. Nossa pesquisa mostra que a incerteza pode ser uma razão sólida para agir imediatamente. “, disse Lamontagne.

Lamontagne, J.R, Reed, P.M., Marangoni, G., Keller, K. and Garner, G.G. “Robust abatement pathways to tolerable climate futures require immediate global action.” Nature Climate Change DOI: 10.1038/s41558-019-0426-8

Fonte: Tufts University / EcoDebate
Tradução e edição são de Henrique Cortez.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.