Brasil libera utilização da Base de Alcântara (MA) aos Estados Unidos

Acordo entre os dois países foi fechado após quase vinte anos de negociação

Base de Alcântara

Brasil e Estados Unidos fecharam os termos do novo Acordo de Salvaguardas Tecnológicas (AST), que concede o uso comercial da base de Alcântara, no Maranhão. Concluído na semana passada, o acordo ocorreu depois de quase vinte anos de negociação. Em 2000, o então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) chegou a assinar o documento, mas o texto foi barrado pelo Congresso Nacional.

A proposta inicial era criar uma área de domínio dos EUA, que proibia a utilização da base pelo Brasil, devido à confidencialidade tecnológica. Segundo entrevista concedida ao jornal Estado de S. Paulo, que antecipou a notícia na manhã desta segunda-feira (11), o embaixador do Brasil nos EUA, Sérgio Amaral, afirmou que as negociações atenderam críticas levantadas pelo Congresso. Assim, segundo ele, o novo acordo reduziria “a ingerência americana no Brasil”.

O pesquisador do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (USP), Ronaldo Carmona, em entrevista para o Brasil de Fato em 2017, alertou para o risco da presença norte-americana no país. Segundo ele, o interesse dos EUA é conter a emergência de novas potências.

“Os EUA sempre manobraram no sentido de diminuir a capacidade estratégica do Brasil de ser um país que tivesse maior autonomia e condição de se afirmar como uma potência entre as nações”, diz Carmona.

Ainda segundo a matéria do Estado de S. Paulo, as negociações já foram concluídas e aguardam revisão de integrantes dos dois países. O governo brasileiro, no entanto, ainda não divulgou o documento. Acompanhe no Brasil de Fato os desdobramentos do caso.

Fonte: Brasil de Fato
Edição: Aline Carrijo

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.