Povos indígenas de Rondônia se comprometem com proteção do território Karipuna

Lideranças de dezoito povos participaram de encontro inédito na terra que apresenta o maior aumento de desmatamento dentre as áreas protegidas do estado

Lideranças dos 18 povos que participaram do I Encontro da Terra Karipuna deram seu recado ao mundo: irão resistir, pela vida da floresta e por suas próprias vidas © Fernanda Ligabue/Greenpeace

Com o lema “Defender a terra é defender a vida dos povos indígenas”, lideranças de 18 povos de Rondônia, do noroeste do Mato Grosso e do sul do Amazonas participaram, entre os dias 2 e 6 de abril, do I Encontro da Terra Indígena Karipuna. O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) e o Greenpeace apoiaram o encontro que teve como objetivo “fortalecer a luta e a resistência do povo Karipuna na defesa de sua terra tradicional”.

Segundo o cacique André Karipuna, o encontro superou as expectativas que eles tinham. “Nós, povo Karipuna, estamos animados com a presença de tantos parentes guerreiros que vieram de longe e se comprometeram com a proteção do nosso território, que está sendo destruído pelos invasores. Nós somos poucos aqui e este apoio pode fazer toda a diferença para garantir a proteção das nossas florestas e das nossas vidas”.

Problema sistêmico

Os problemas enfrentados pelo povo Karipuna são comuns aos outros povos indígenas de Rondônia e de toda a Amazônia © Tiago Miotto/Cimi

Ao compartilharem os relatos do que acontece em cada um de seus territórios (alguns ainda sem demarcação), os indígenas concluíram que a realidade que o povo Karipuna enfrenta é, essencialmente, a mesma de outras terras indígenas de Rondônia e de toda a Amazônia. O aumento das invasões, do desmatamento, da grilagem, das ameaças e da violência contra as lideranças e, por outro lado, a omissão do Estado brasileiro em garantir a proteção territorial são situações disseminadas nas terras indígenas da região amazônica.

“A presença de lideranças de vários povos ajuda a perceber que o problema enfrentado pelos Karipuna não é isolado. É comum a todas as terras indígenas, seja no caso das já demarcadas, seja no caso, ainda mais desafiador, dos grupos que estão lutando para reconquistar sua terra”, avalia Dom Roque Paloschi, presidente do Cimi e arcebispo de Porto Velho. “Só conjugando forças podemos ter perspectiva de preservar as terras e o direito de viver dos povos indígenas nesse país”, complementou.

De acordo com a avaliação da representante da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), Eva Canoé, “se perdermos o território Karipuna, vamos perder outros também. Nosso grande desafio é defender todas as terras invadidas para que possamos garantir a sobrevivência de nossas futuras gerações. Esta situação deixa todos nós muito preocupados, mas também muito conscientes do que devemos fazer: resistir, resistir e resistir”.

Estado deve proteger

No contexto de extrema pressão a que estão submetidos os povos indígenas da Amazônia, os participantes do encontro consideram que a determinação do povo Karipuna de não aceitar a violação de seu território tradicional soa como um sinal de alarme para que o Estado brasileiro reaja diante do crime organizado que, há tempos, promove a invasão e a pilhagem das terras indígenas.

“Nesse sentido, é urgente que o Estado combata o avanço da conjuntura anti-indígena que viola os direitos e territórios por toda a Amazônia. Para tanto, além de promover os direitos indígenas cabe ao Poder Público restaurar a ordem e pôr em prática um plano de proteção territorial capaz de garantir a integridade dos territórios indígenas de todo o Brasil”, afirma Danicley de Aguiar, da campanha Amazônia do Greenpeace.

Terra grilada

No terceiro dia do encontro, as lideranças fizeram uma caminhada pela mata da terra indígena, guiada pelo cacique André Karipuna, nas proximidades da aldeia Panorama. Na primeira meia hora, já se depararam com diversas picadas – marcações de lotes – abertas pelos invasores dentro da TI Karipuna. Segundo o cacique, há indícios de que algumas dessas picadas estão sendo renovadas, e a atividade dos invasores deve se intensificar novamente quando terminar o inverno, como é chamado o período de chuvas que costuma se estender de dezembro a meados de junho.

Na avaliação de José Luís Kassupá, coordenador geral da Organização dos Povos Indígenas de Rondônia, noroeste do Mato Grosso e sul do Amazonas (Opiroma), o fato deste I Encontro ter ocorrido justamente dentro da TI Karipuna, num contexto político de profundo retrocesso e ameaça aos direitos indígenas, explicita que os povos não só de Rondônia e da Amazônia, mas de todo o Brasil, precisam se articular para resistir às promessas do atual governo de abertura das terras tradicionais para a exploração das mineradoras e o arrendamento, dentre outras.

Pra todo mundo saber

Mesmo diante de todos os desafios que enfrentam, as lideranças afirmaram na mensagem final do encontro: “Nós resistiremos sempre!”. Leia a Mensagem Final do I Encontro da Terra Indígena Karipuna

E com o propósito de enviar uma mensagem ao governo brasileiro e ao mundo que ilustra esta atitude de resistência, os Karipuna realizaram uma atividade que contou com a participação de todos os povos presentes no encontro, que você pode ver no vídeo abaixo:

Fonte: Greenpeace

Deixe um comentário