Monitoramento do Imazon confirma tendência de alta do desmatamento da Amazônia

Mata derrubada para formação de pasto em Novo Progresso (PA)

Entre agosto de 2018 e junho de 2019 a Amazônia perdeu 3.767 quilômetros quadrados de floresta. O número representa um aumento de 4% em relação ao mesmo período do ano anterior. Os dados são do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), divulgados pelo Imazon.

O mês de junho de 2019 teve grande participação no total desmatado, quando foram perdidos 801 km2. Pesquisadores do Imazon identificaram 7.177 alertas de desmatamento no mês. O número é menor se comparado a junho de 2018, mas os pesquisadores destacam que naquele período o desmatamento estava batendo uma marca histórica, alcançando a maior área desmatada já detectada em um único mês na série história do monitoramento, que existe desde 2008.

Amazonas e Pará lideram o ranking de junho com 30% e 26% do total desmatado, respectivamente, seguido por Rondônia (19%), Mato Grosso (17%), Acre (5%), Roraima (1%), Tocantins (1%) e Amapá (1%).

De acordo com a geografia do desmatamento, maior parte do desmatamento (56%) ocorreu em áreas privadas ou sob algum estágio de posse. O restante foi registrado em Assentamentos (26%), Unidades de Conservação (13%) e Terras Indígenas (5%).

INFBoletimSAD Jun2019 A4 297x210 WEB - Boletim do Desmatamento da Amazônia Legal (Junho 2019) SAD

Veja o boletim e o infográfico do Imazon

Fonte: Amazônia.org
Com informações do Imazon

Deixe um comentário

Um comentário em “Monitoramento do Imazon confirma tendência de alta do desmatamento da Amazônia

  • 12 de julho de 2019 em 15:08
    Permalink

    É importante preservarmos a nossa natureza

Fechado para comentários.