Bolsonaro fecha escritórios do Ibama de Parintins e Humaitá

Em meio à crise provocada pelo avanço das queimadas na floresta amazônica, o governo Bolsonaro anunciou que vai fechar os dois últimos escritórios do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) no Amazonas – os de Parintins e Humaitá.

Messias Cursino, chefe do escritório do Ibama em Parintins (a 325 quilômetros de Manaus), disse que a informação ainda será publicada no Diário Oficial, mas que o encaminhamento feito pelo Governo Federal para que sejam encerradas as atividades dos escritórios nos municípios já foi recebido, tanto por ele, como pelo representante de Humaitá (a 600 quilômetros da capital).

O governo alega falta de recursos financeiros, orçamento, estrutura, recursos humanos, falta de equipamento entre outros.

Segundo Messias, até 2009, existiam 19 escritórios regionais do Instituto no estado, e nesse mesmo ano, 17 foram fechados, restando apenas dois, o de Parintins que atende o leste do Amazonas, e Humaitá, que atua no sul do estado, região onde se concentram os maiores focos de incêndio no estado.

Ele conta que desde 2009 não se faz concurso público para quadros do Ibama.

E que a grande preocupação com a desativação do escritório, que tem seis servidores, entre administrativos e agentes, é não poder atuar contra a extração ilegal de madeira e na proteção de reservas indígenas que existem na região, a Satere-Maué e Hiskariana, que são prioridades do Ibama.

De acordo com Messias, os escritórios do órgão precisam funcionar, ainda que exista a necessidade de reestruturação para maior eficiência dos trabalhos.

Ele disse que o maior problema a partir da decisão do governo, além da grande quantidade de madeira que vem sendo explorada, são as denúncias de atuação ilegal de garimpeiros nas reservas indígenas Sateré-Mawé (rio Andirá) e Hiskariana (Alto Nhamundá).

Fonte: BNC

Deixe um comentário