“Não somos mentirosos”, diz liderança Wajãpi, em resposta a Bolsonaro

Na foto está ao microfone o líder Makreiton Wajãpi, que rebate as declarações do Presidente da República sobre a morte do cacique Emyra e a invasão de garimpeiros no território (Foto: Rudja Santos/Amazônia Real)

Desde a notícia da morte brutal do cacique Emyra Waiãpi, que segundo o povo Wajãpi foi assassinado por garimpeiros no dia 22 de julho – com várias perfurações de faca pelo corpo, na aldeia Waseity – a etnia continua se manifestando, por meio de notas oficiais, pelas redes sociais na internet e até em coletivas à imprensa, cobrando por justiça e a intensificação das investigações pela Polícia Federal e o Exército brasileiro no território, localizado no oeste do Amapá.

Os Wajãpi temem que o assassinato do cacique Emyra, que completa nesta segunda-feira (5) duas semanas, fique impune e caia no esquecimento. Os indígenas estão preocupados com as recentes declarações do presidente da República Jair Bolsonaro (PSL) e do Exército.

No último dia 29, o general Luiz Gonzaga Viana Filho, comandante da 22ª. Brigada de Infantaria de Selva (BIS), declarou que “a Polícia Federal fez uma perícia e até o momento não houve indícios de invasão [dos garimpeiros]”. Ele também negou que tenha ocorrido algum conflito contra os Wajãpi. O crime é investigado pelo Ministério Público Federal.

Nesse mesmo dia, Jair Bolsonaro também pôs em dúvida a existência de conflito e a alegação de que a morte do cacique Emyra tivesse relação com episódio. “Não tem nenhum indício forte que esse índio foi assassinado lá”, declarou o presidente à imprensa, na saída do Palácio do Planalto, ao mesmo tempo em que voltou a insistir no projeto de legalizar garimpo em terras indígenas.

Makreiton fala sobre a morte do cacique Emyra Waiãpi (Foto: Rudja Santos/Amazônia Real)

Em entrevista à agência Amazônia Real, uma das lideranças da etnia, Makreiton Wajãpi, disse que os indígenas estão muito preocupados com a falta de segurança nas aldeias, diante das declarações feitas por Bolsonaro.

“Porque temos nossas famílias, mulheres e crianças. Então, a nossa preocupação é muito grande e precisamos de apoio e segurança. Como os policiais foram lá, disseram que não tinham invasores. Não somos mentirosos, nunca inventamos antes essa história. Se a gente tivesse inventado, ou acontecido com a própria família, ninguém tinha divulgado isso”, disse Makreiton.

A morte do cacique Emyra Wajãpi, de 62 anos, foi anunciada pelo coordenador indígena Kurani Wajãpi. Ele divulgou um vídeo no Facebook, na noite do dia 27 de julho (sábado), pedindo socorro e revelando que houve um tiroteiro na Aldeia Jakare.

“Estou pedindo ajuda das autoridades competentes, para que tomem logo a decisão de mandar a Polícia Federal para a terra indígena Wajãpi, para prenderem os garimpeiros que aqui estão. Já teve um assassinato de uma liderança (…) e não queremos mais mortes; por isso estamos pedindo socorro”.

A Fundação Nacional do Índio (Funai) confirmou a morte do cacique, mas tratou a ação dos garimpeiros como “suposta invasão à Terra Indígena Wajãpi”.

No dia 28 de julho (domingo), o procurador Rodolfo Lopes, do Ministério Público Federal no Amapá, instaurou inquérito para investigar a denúncia da invasão de garimpeiros e a morte do cacique Emyra Wajãpi. Foi a mulher dele que encontrou o corpo, com marcas de violência, dentro de um rio da aldeia Waseity, que fica próxima da aldeia central Mariry.

“O que nós temos de informação, até o presente momento, é que de fato ocorreu um homicídio, uma morte de circunstâncias não identificadas, de segunda (22) para terça-feira (23), de uma liderança indígena, Emyra Wajãpi. Ainda não sabemos exatamente quando se deu a autoria dessa morte: se foram garimpeiros, caçadores, não indígenas, ou mesmo se a disputa ocorreu entre indígenas. As circunstâncias não são muito claras”, disse o procurador.

Quem matou Emyra?

Em coletiva de imprensa, o líder Makreiton Wapjãpi explica a situação de ameaça ao território (Foto: Rudja Santos/Amazônia Real)

Na última sexta-feira (2 de agosto), uma equipe com médico legista da Polícia Técnico-Científica do Amapá, acompanhada de policiais civis e federais, deslocou-se de helicóptero à Terra Indígena Wajãpi, distante a 300 quilômetros de Macapá.

Esta foi a primeira vez na história, desde o contato dos povos Wajãpi com os brancos, em 1973, que o corpo de um indígena da etnia foi exumado (retirada dos restos mortais do local onde foi sepultado) para a realização de necropsia: um procedimento médico que pode determinar a causa da morte do cacique. O resultado da necropsia, autorizada pelos Wajãpi, deve sair em 30 dias.

Um dia antes da exumação, o líder Makreiton Wajãpi expôs o sentimento de indignidade com a realização da exumação do corpo do cacique. “Os policiais precisam de provas para ver quem matou ele [Emyra]”, disse Makreiton, quando participou, na quinta-feira passada (1º de agosto), de uma coletiva de imprensa, em Macapá.

Makreiton Wajãpi contou à Amazônia Real que o corpo do cacique Emyra Wajãpi foi sepultado na aldeia Yvytotõ, sem uma cerimônia de despedida, “pois não havia tempo e todos os indígenas estavam preocupados com a situação de ameaças dos garimpeiros”.

Nas cinco notas oficiais, divulgadas pelo Conselho das Aldeias Wajãpi – Apina, os indígenas Wajãpi mantém a versão sobre o ato de violência que matou o cacique Emyra.

“As testemunhas da aldeia Yvytõtõ, que fica próxima da aldeia central Mariry, confirmaram que viram dois invasores armados no final da tarde do dia 26 de julho. Disseram que logo depois que os viram, os moradores da aldeia Yvytõtõ mandaram duas pessoas para a aldeia Mariry informar sobre a presença dos invasores e essa informação foi repassada pela radiofonia para várias aldeias na nossa Terra Indígena Wajãpi”, disse na nota da Apina divulgada dia 1o de agosto.

Sobre a exumação do corpo do cacique, o procurador Rodolfo Lopes explicou, em coletiva à imprensa: “É importante que tenhamos claro que nós estamos juntos; nosso objetivo é comum e isso (autorização dos Wajãpi para exumação) só reforça que as lideranças indígenas estão trabalhando em conjunto com o Ministério Público Federal e com a Polícia Federal para entender a dinâmica dos fatos”.

Mensagem do luto

O cacique Emyra Wajãpi foi encontrado morto num rio (Foto: Notícias Wajãpi)

Foi também pelas redes sociais que os Wapijã deixaram manifestações de homenagem e de cobrança por justiça pela morte do cacique.

“O grande Cacique Emyra Wajãpi deixou muita falta para o povo Wajãpi. Grande Sábio Emyra Wajãpi deixou seu povo. Queremos a Justiça! A Terra Indígena Wajãpi está em Luto”. Na postagem, os indígenas inseriram frases como “Emyra Vive” e “Garimpeiros Não”. Essa é uma alusão à opinião da etnia contra a presença de pessoas ligadas com a mineração no território tradicional de 607 mil hectares. De acordo com o decreto de homologação, a área é contígua ao Parque Nacional do Tumucumaque, no Amapá. Também está sobreposta Reserva Nacional do Cobre e seus Associados (Renca), região rica em minérios e que está na mira do governo para exploração de multinacionais.

Denúncia no WhatsApp

Manifestantes pedem justiça pela morte do cacique Emyra, em Macapá (Foto: Notícias Wajãpi)

Também em rede social, Dominique Tilkin Gallois, professora do Departamento de Antropologia da Universidade de São Paulo (USP), que trabalha com os indígenas Wajãpi, desde os anos 70, disse que “com a criação do Conselho das Aldeias Apina e a demarcação e homologação da Terra Indígena em 1996, os Wajãpi passaram a se pronunciar de forma mais direta e repetida, explicitando porque são contrários à presença de garimpeiros e denunciaram sucessivas tentativas de ingresso em sua terra”.

Para Dominique, “ninguém esperava que, tantos anos depois, surgisse novamente o pesadelo das invasões de garimpeiros. Voltou à tona o medo das violências e da contaminação por doenças. A geração de jovens que usou o WhatsApp para se comunicar com amigos e parceiros, pedindo literalmente socorro, não viveu a experiência anterior. Mas se agiu tão rápido, é porque ouviu, inúmeras vezes dos pais e avós, o quanto essa experiência traumática deve ser evitada a todo custo”.

A experiência anterior, enfrentada pelos Wajãpi, foi classificada pela antropóloga como “trágica”.

“A possível aproximação de invasores traz à tona experiências trágicas, ocorridas nos anos 1971 a 1973, antes da instalação de um posto da Funai. Na época, levas de garimpeiros invadiram a bacia do rio Karapanaty, explorando ouro nas proximidades da aldeia Karavõvõ. Prometiam trazer mercadorias e conseguiram apoio dos índios, que os abasteciam com caça, lenha e alimentos. Na verdade, depois de cerca de um ano de convivência conturbada, fugiram e deixaram a população de cinco aldeias da região infectadas com sarampo”, disse Dominique Gallois. “Mais de 80 adultos e crianças morreram, abandonados pelos que se diziam ser seus amigos”, lembrou ela, em seu post.

A Funai só chegou ao território dos Wajãpi na década de 70 após os episódios trágicos das primeiras chegadas dos garimpeiros. O contato foi realizado por uma equipe de atração da fundação, segundo estudo da antropóloga Dominique Gallois, com o objetivo de afastar os indígenas do trajeto da estrada Perimetral Norte (BR 210), construída na época e abandonada em 1976, com um trecho dentro do território tradicional. Naquela década, os Wajãpi enfrentavam uma grande invasão de garimpeiros, mortes por sarampos e abandono do estado. A dramática convivência dos indígenas com os garimpeiros, e as consequências da exploração do ouro, fez com que os indígenas se posicionem, ainda hoje, contra a mineração em suas terras.

Sem caça

O cacique Emyra Wajãpi quando jovem na aldeia Waseity (Foto: Notícias Wajãpi)

O assassinato do cacique Emyra mudou totalmente a rotina dos Wajãpi. Eles relatam, nas notas oficiais, que parentes abandonaram a aldeia Yvytõtõ e foram para a aldeia Kanikani para se juntar com outras famílias. Eles estão com medo dos garimpeiros e temem conflitos. “Até agora, algumas comunidades da região do Mariry estão deixando suas aldeias para se juntar com outras para se protegerem e as mulheres estão com medo de ir para as roças”, consta um trecho de uma das notas sobre o caso.

Com relação às investigações para apoiar as equipes da Polícia Federal na busca pelos garimpeiros, também houve mudança na vida dos indígenas no território dos Wajãpi, segundo o Conselho das Aldeias – Apina.

“Nossos guerreiros estão fazendo equipes para buscar rastros dos invasores e por isso não estão saindo para caçar. Isso está prejudicando muito a nossa vida; por isso, nós precisamos urgente da presença permanente da Funai na aldeia central do Mariry e que seja feita investigação com mais tempo de permanência da Polícia Federal ou do Exército nesta região”.

Os Wajãpi, falantes do Tupi-Guarani, somavam mais de 1.200 pessoas, conforme estatística da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), em 2014. Suas aldeias estão localizadas nas cabeceiras e nos afluentes dos rios Jari, Amapari e Oiapoque, no oeste do Amapá, além de uma parte no Pará. Existem também povos da etnia vivendo na Guiana Francesa.

“A agricultura é uma atividade central na vida dos Wajãpi. Nas roças, as espécies cultivadas são: o milho, a banana, o cará e a batata doce, cana de açúcar e frutas como caju, mamão, abacaxi, além da pimenta, amendoim e feijão”, de acordo com estudo de Dominique Gallois, realizado pelo Instituto Socioambiental (ISA).

Por: Bianca Andrade e Kátia Brasil
Fonte:
Amazônia Real

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.