Ondas de frio também são indícios de aquecimento global, mostra pesquisa

Bloco de gelo na Antártida
Métricas mostram que, desde os anos 1980, dias com recorde máximo de temperatura têm sido mais frequentes do que dias com recorde mínimo de temperatura – independentemente da região do planeta

A briga já se tornou habitual, principalmente nas redes sociais: diante de um dia mais frio, uma anormal frente fria ou um inverno mais rigoroso que o normal, negadores do aquecimento global aproveitam para atacar pesquisas sobre o assunto.

Cientistas da área, contudo, apontam justamente o contrário: tais fenômenos meteorológicos são evidência clara de que o aquecimento global existe, de que se trata de uma crise ambiental grave e de que estamos vivendo um período catastrófico, na iminência de um colapso climático.

A revista Nature Climate Change desta segunda-feira (12) traz mais uma pesquisa a se somar às tantas realizadas sobre o tema.

O trabalho – desenvolvido por cientistas da Universidade de Exeter, na Inglaterra, da Universidade de Groningen, na Holanda, do Centro Canadense para Análise Climática, no Canadá, do Instituto Meteorológico Real da Holanda e do Instituto de Pesquisa de Energia e Sustentabilidade em Groningen, também da Holanda – concluiu que mesmo as ondas de frio estão no contexto da crise ambiental do aquecimento global.

Exemplo do Ártico

Os cientistas também apontam que os dias mais frios têm sido exceção, não regra. “Não tem havido um aumento global nos invernos frios, em tendências de longo prazo”, afirma à BBC News Brasil o pesquisador Russell Blackport, da Faculdade de Engenharia, Matemática e Ciências Físicas da Universidade de Exeter.

“Houve algumas regiões que tiveram alguns invernos particularmente severos na última década, mas estes são aumentos de curto prazo, que refletem a variabilidade natural. Tendências de longo prazo mostram que os invernos frios extremos estão se tornando menos frequentes, e isso é consistente com o aumento das temperaturas globais.”

Diversos estudos científicos comprovam que o planeta ficou 1 grau Celsius mais quente nos últimos 100 anos. Métricas mostram que, desde os anos 1980, dias com recorde máximo de temperatura têm sido mais frequentes do que dias com recorde mínimo de temperatura – independentemente da região do planeta.

Contudo, um dia mais quente no Ártico pode trazer frio para regiões contíguas. Ou seja: para a Europa e a América do Norte. É um fenômeno físico: o calor acaba fazendo com que o ar frio, antes concentrado no Ártico, se espalhe por outras regiões.

Derretimento de geleira no Ártico
Diversos estudos científicos comprovam que o planeta ficou 1 grau Celsius mais quente nos últimos 100 anos. Foto: RICHARD BINTANJA

E isso acarreta frentes frias fora do comum – como a onda de frio ocorrida na Europa em maio deste ano, com direito a neve em diversas localidades no período que deveria ser o auge da primavera.

Os cientistas esmiuçaram esse fenômeno. Concluíram que o degelo não pode ser apontado como a causa de um dia frio. Os acontecimentos estão em consonância, porque ambos são culpa do atual contexto chamado de aquecimento global – mas que poderia ser também chamado de colapso climático ou crise climática.

“Usamos três linhas de evidências para concluir que a redução do gelo no mar tem influência mínima nos invernos frios – muito embora a redução do gelo nos mares tenda a coincidir com invernos frios”, pontua Russell.

“Descobrimos que o calor tende a fluir da atmosfera para o oceano durantes os eventos frios, o oposto do que seria esperado se houvesse uma influência do gelo marítimo. Constatamos também que o tempo frio começa antes da redução do gelo – mas não prossegue depois disso. Também realizamos modelagens para prever o cenário.”

Segundo o pesquisador, todas as abordagens concordaram que a redução das geleiras tem “influência mínima” sobre os invernos frios.

Argumentos cientificamente errados

Esse tipo de fenômeno, de dias mais frios, acaba suscitando argumentos justamente por quem não acredita – por razões pessoais, interesses políticos e econômicos ou simplesmente ideologia – nas evidências de que o planeta vive um forte aquecimento.

“Se o mundo está ficando mais quente, por que, então, está fazendo tanto frio nos Estados Unidos?”, twittou recentemente o presidente americano Donald Trump, em meio a uma onda de frio ocorrida no país.

Questionamentos semelhantes também têm sido recorrentes nos círculos do poder brasileiro. “Só por curiosidade: quando está quente a culpa é sempre do possível aquecimento global e quando está frio fora do normal, como é que se chama?”, escreveu, também no Twitter, o vereador Carlos Bolsonaro, um dos cinco filhos do presidente Jair Bolsonaro.

Ernesto Araújo
‘Não acredito em aquecimento global. Vejam que fui a Roma em maio e estava tendo uma onda de frio enorme’, disse Ernesto Araújo em reunião com especialistas no Itamaraty. Foto:REUTERS/ADRIANO MACHADO

Outro cético assumido do tema é o diplomata Ernesto Araújo, atual ministro das Relações Exteriores do Brasil. Em uma recente reunião junto a especialistas do Itamaraty, ele usou uma observação pessoal para tentar desmentir o consenso científico ambiental internacional.

“Não acredito em aquecimento global. Vejam que fui a Roma em maio e estava tendo uma onda de frio enorme. Isso mostra como as teorias do aquecimento global estão erradas. Isso a mídia não noticia”, afirmou ele.

Para os cientistas, esse tipo de raciocínio não encontra ecos nas aferições globais. “É um argumento que comete o erro comum de confundir tempo com clima”, explica Blackpor, diante da repercussão internacional da declaração do ministro brasileiro.

“O tempo descreve a atmosfera em escalas curtas – dia a dia, semana a semana – enquanto o clima descreve as estatísticas em escalas de tempo muito mais longas, geralmente de mais de 30 anos. Eventos climáticos de curto prazo que podem causar temperaturas extremas sempre ocorreram e continuarão ocorrendo no futuro. Contudo, tendências de longo prazo no clima mostram que dias de frio extremo estão se tornando menos prováveis e menos intensos, o que é consistente com o aumento global das temperaturas.”

Degelo e anomalias

Uma potencial conexão entre a perda de gelo do Ártico e ondas de tempo frio no hemisfério norte tem sido objeto de estudos há algum tempo – observações mostram que sempre que há uma diminuição da cobertura de gelo na região, áreas próximas sofrem com baixas temperaturas.

A pesquisa divulgada nesta segunda se baseou em uma grande quantidade de dados climáticos. Isso significa uma vasta gama de aferições, tanto geograficamente quando cronologicamente. Assim, os cientistas podem realizar conexões estatísticas e comprovar curvas de aquecimento – sem ruídos suscitados por variações pontuais.

No caso do Ártico, os dados levam à conclusão de que invernos relativamente frios ocorrem de forma simultânea a momentos de declínio de gelo na região – mas um não é a causa do outro.

Ambos são decorrentes, na verdade, de anomalias de grande escala na circulação atmosférica, conforme pontua comunicado distribuído pela Universidade de Groningen.

Olhando por outro lado, há uma notícia que pode ser parcialmente alentadora.

“Nossas descobertas mostram que uma diminuição do gelo do Ártico em um futuro próximo não levará a mais e intensas ondas de frio no inverno”, acredita o pesquisador Richard Bintanja, professor da universidade holandesa e coautor da pesquisa. “Afinal, o degelo do Ártico é resultado de circulação atmosférica de padrões incomuns, e não sua causa.”

Parcialmente alentadora porque se o degelo não irá causar invernos mais rigorosos ainda, isso não significa que os problemas climáticos não irão continuar. Muito pelo contrário. “Há muitas razões para se preocupar com a perda dramática do gelo do Ártico”, pontua o professor da Universidade de Exeter James Screen, também participante da pesquisa.

“A correlação entre a redução do gelo marinho e os invernos frios não significa que um esteja causando o outro”, completa Russell. “Mostramos que a causa real é a mudança na atmosfera, que leva o ar quente para o Ártico e traz o ar frio para as latitudes médias.” Ou seja: o aquecimento global.

O comunicado divulgado pela Universidade de Exeter enfatiza que, “nas últimas décadas, o Ártico sofreu um aquecimento das temperaturas por causa das mudanças climáticas, o que levou a um grande declínio na cobertura de gelo”.

“Essa redução na cobertura de gelo implica no aumento das áreas de mar aberto – o que, por sua vez, permite que o oceano perca mais calor para a atmosfera no inverno”, aponta o texto. “Isso pode alterar o clima, mesmo fora do Ártico.”

Por: Edison Veiga
Fonte:
BBC News Brasil

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.