Garimpeiros bloqueiam BR 163 em protesto contra queima de maquinário


Bloqueio na BR 163. Foto: Reprodução/PRF.

Um grupo formado por cerca de 250 garimpeiros fechou a rodovia BR 163, no Pará, na altura de Moraes de Almeida, distrito de Itaituba, nesta segunda-feira (09). Os manifestantes pediam a legalização das áreas de garimpo de ouro, o fim de queima de maquinário realizado pela fiscalização ambiental e um encontro com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Em julho, duas semanas após um grupo atear fogo em um caminhão-tanque do Ibama, o ministro se encontrou com os madeireiros em Rondônia, onde prestou solidariedade. Os garimpeiros de Itaituba esperam o mesmo gesto de apoio vindos do governo federal e não gostaram de apenas receber acenos de pessoas ligadas ao governo, mas que não estão em posição de comando.

“Eles (políticos) têm que vir pessoalmente conversar com a gente aqui na paralisação, não é mandar recado pro grupo não. Eles tem que vir aqui pessoalmente, aí sim a gente acredita, assinado papel aqui, confirmando com a gente”, disse um participante de um dos grupo de WhatsApp montados para organizar a manifestação.


Mensagem que circula nos grupos de WhatsApp. Imagem: Reprodução.

Bolsonaro foi eleito prometendo tirar o Ibama do cangote do produtor rural, falando em abrir mineração em áreas hoje não permitidas, como terras indígenas e, já na presidência, desautorizou a queima de maquinário em operação de fiscalização. A inutilização de maquinário está descrito no decreto 6.514, de 2008 e tem como objetivo tornar o preço do delito ambiental oneroso para o infrator.

Com a mudança de governo, os garimpeiros se sentiram seguros para investir no negócio mesmo sem licença. E após meses de fiscalização ambiental frouxa, estão irritados com o retorno do estado dizendo que não é permitido minerar em terra indígena, unidades de conservação e mesmo em área “branca” [área não destinada para proteção] sem licença de lavra.

O cenário mudou no dia 23 de agosto, quando o presidente assinou decreto para autorizar o uso das Forças Armadas no combate a queimadas na Amazônia.

Na semana passada, na região entre Itaituba, Novo Progresso e Altamira, os órgãos ambientais federais, Ibama e ICMBio, com auxílio do Exército e da Força Nacional, queimaram maquinário de garimpo ilegal dentro de terra indígena e unidade de conservação. A BR 163 é cercada por um grande mosaico de unidades de conservação e terras indígenas.

Inutilização de maquinário em operação de combate a garimpo ilegal de ouro no Rio Jamanxim, no Pará, limite da Floresta Nacional Itaituba II, em outubro de 2017. Foto: Felipe Werneck/Ibama.

Fechamento de estrada

A organização do fechamento da BR 163 foi iniciada no fim de semana. Os áudios começaram a circular entre familiares, garimpeiros, comerciantes e, obviamente, policiais rodoviários federais (PRF), que se prepararam para lidar com o bloqueio da principal estrada que escoa a produção de grãos do Mato Grosso ao porto de Miritituba, em Itaituba.

Um garimpeiro enviou um áudio reclamando que a PRF estava retendo os caminhões próximo da comunidade Santa Júlia, em Novo Progresso. “Enfraquece o movimento, não tem o vuco-vuco porque a federal [polícia rodoviária] não quer deixar os caminhões entrarem dentro da cidade ali em Moraes”.

O mesmo garimpeiro se disse chateado porque os manifestantes não trouxeram para o protesto as máquinas queimadas pelos órgãos ambientais. “Consertar não dá conserto mais aquela máquina. Então traz e deixa apodrecendo ali na beira da pista pra todo mundo que passar ali colocar uma placa, uma faixona nela, uma placa: “Quem queimou isso aqui foi o Ibama/ICMBio”. Para você ver se não impacta esse negócio ai [a manifestação]. Ainda é tempo de buscar uma máquina lá. Ainda é tempo”, disse.

Novo superintendente do Ibama no Pará apoia fim da queima de maquinário


Novo chefe do Ibama no Pará diz pra população ter paciência. Imagem/Reprodução/TTwitter.

O novo superintendente do Ibama no Pará, o coronel da PM Evandro Cunha dos Santos, disse que recebeu ordens para não deixar que o Ibama inutilize o maquinário usado em crime ambiental.

“Porque eu sou soldado e sei cumprir ordens. E a ordem que eu recebi foi para parar isso daí (queima de veículos apreendidos)”, disse, em audiência pública realizada em Altamira nesta segunda-feira.

Evandro Cunha dos Santos foi nomeado na semana passada para comandar o Ibama no Pará.

“Eu vim para essa responsabilidade indicado pelo próprio presidente Bolsonaro. Então o ministro Ricardo Salles me chamou lá em Brasília, efetivou o convite e me falou das problemáticas que estavam acontecendo aqui na região como um todo, tá? Bom, quero dizer para vocês o seguinte: eu sou homem de Deus e homem de Deus não gosta de fogo. Quem gosta de fogo é Satanás. Quero dizer para vocês o seguinte: fiquem certo, fiquem certo, que isso vai cessar. Vamos trabalhar diuturnamente para acabar com essa problemática de estarem danificando o patrimônio alheio”, disse, sob aplausos.

Por: Daniele Bragança
Fonte:
O Eco

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.