Produção e sustentabilidade: feira da agricultura familiar reúne cerca de 6 mil pessoas em Apuí, no Sul do Amazonas

Agricultores familiares preservam e restauram a biodiversidade dos ecossistemas, fornecem alimentos tradicionais e nutritivos, contribuem para a possibilidade de dietas equilibradas e mantém patrimônios culturais em áreas rurais
Foto: Ivanir Lange Valentim

A agricultura familiar responde pela produção de 80% dos alimentos do mundo e tem um papel muito importante na conservação dos recursos naturais, afirma a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

É por isso que, ao longo de sua história, o WWF-Brasil tem apoiado diversas iniciativas que buscam fortalecer o trabalho de agricultores e agricultoras familiares.

E este trabalho chegou, recentemente, ao Sul do Amazonas: nas últimas semanas, o Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais, Agricultores e Agricultoras Familiares de Apuí (Sintrafa-Apuí) promoveu a quinta edição de sua Feira Territorial da Agricultura Familiar da Calha do Rio Madeira.

Realizada na própria Apuí (cidade a 1097 quilômetros de Manaus), a feira reuniu cerca de 6 mil pessoas e contou com apresentação de danças regionais, degustação de comidas típicas e comercialização de itens de artesanato. Constaram ainda, na programação, cursos, palestras e atividades esportivas.

Mel, doces e flores

As abóboras do seu Cézar, que chegavam a pesar 37 quilos, fizeram sucesso na feira realizada no Apuí
Foto: Ivanir Lange Valentim

Vindo do distrito do Sucundurí, na zona rural de Apuí, o produtor rural Cézar Frozi vendeu praticamente tudo que levou à feira: mais de 20 produtos derivados de porco, gado e aves, além de vegetais. O destaque de sua barraca foram as abóboras gigantes, que pesavam em média 37 quilos cada uma.

O produtor Lauro Jamilson Lobato, de Humaitá, levou à feira uma exposição de mel de abelha de Uruapiara – um tradicional distrito de sua cidade. Ele também expôs alguns produtos feitos a partir do látex da seringueira.

A Organização das Nações Unidades (ONU) declarou 2019-2018 como a “Década das Nações Unidas para a Agricultura Familiar”. A iniciativa chama a comunidade internacional para formular e implementar políticas públicas que fortaleçam esta atividade
A Organização das Nações Unidades (ONU) declarou 2019-2028 como a “Década das Nações Unidas para a Agricultura Familiar”.. Foto: Ivanir Lange Valentim

Diversos outros itens estavam à venda pela feira, como os doces de açaí, buriti e castanha da União de Mulheres de Apuí (UMA); os itens reciclados e artesanais do projeto Aconchego (feitos com crochê, madeira e sabão ecológico); e flores e plantas decorativas como orquídeas, azaleias, suculentas, cactos e gloxínias. Também era possível encontrar derivados do leite como queijo, iogurte, nata e manteiga; assim como itens artesanais da comunidade da Barra de São Manoel.

Dividindo barracas

Para a presidente do Sintrafa, Raimunda Nascimento Silva, a feira “foi um sucesso”: além do número expressivo de participantes, ela contou que ouviu vários relatos de comerciantes e expositores que venderam todos os seus produtos.

“Essa foi a melhor edição de nossa feira. Como presidente do sindicato organizador do evento, estou com a sensação de dever cumprido e só tenho a agradecer aos parceiros que apostaram nessa empreitada e entenderam a importância de fomentar a agricultura familiar no Sul do Amazonas”, afirmou.

Segundo o técnico de conservação do WWF-Brasil Izac Theobald, a maior evidência de que a feira foi bem-sucedida foi o interesse de diversos produtores em participar do evento: não houve barraca para todos e muitas delas tiveram que ser divididas e otimizadas para abrigar todo mundo.

“A realização desta feira mostra que, mesmo com inúmeras dificuldades, existe um esforço individual e particular de vários pequenos produtores do Sul do Amazonas, que produzem e comercializam sua produção sem apoio ou suporte”, explicou Izac.

Importância

De acordo com a FAO, os agricultores familiares preservam e restauram a biodiversidade dos ecossistemas, fornecem alimentos tradicionais e nutritivos, contribuem para a possibilidade de dietas equilibradas e mantém variados patrimônios culturais em áreas rurais.

Por tudo isso, a Organização das Nações Unidades (ONU) declarou 2019-2028 como a “Década das Nações Unidas para a Agricultura Familiar”. A iniciativa chama a comunidade internacional para formular e implementar políticas públicas que fortaleçam esta atividade.

Sul do Amazonas

O WWF-Brasil trabalha há mais de uma década no Sul do Amazonas, buscando soluções de desenvolvimento sustentável para aquela região. Nos últimos anos, a instituição vem trabalhando na construção da Aliança para o Desenvolvimento Sustentável do Sul do Amazonas – uma iniciativa interinstitucional que reúne 14 organizações, de 10 municípios diferentes, para discutir questões importantes daquele território.

A agricultura familiar também é tema de projetos do WWF-Brasil desenvolvidos no Distrito Federal – no apoio a 27 comunidades, das bacias dos rios Piripau e Descoberto; e no Acre. No estado amazônico, nós apoiamos a Associação de Certificação Socioparticipativa da Amazônia (ACS), que mobiliza 4 grupos comunitários e 50 famílias na produção rural orgânica. Em junho, ajudamos na organização das Caravanas da Agroecologia, que envolveu mais de 300 pessoas de todo o Acre.

Também damos suporte a diversas ações que tratam de alimentação saudável e combatem o desperdício de alimentos.

Fonte: WWF Brasil

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.