Projeto do governo quer legalizar garimpos e liberar mineração em terras indígenas

Proposta está na Casa Civil e deve ser enviada este mês ao Congresso Nacional, segundo ministro

O ministro Beto Albuquerque (primeiro plano) confirmou que o projeto está pronto para ser apresentado - Créditos: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
O ministro Beto Albuquerque (primeiro plano) confirmou que o projeto está pronto para ser apresentado / Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O governo Jair Bolsonaro (PSL) deve apresentar neste mês projeto que ibera atividades exploratórias em terras indígenas, incluindo mineração, e legaliza os garimpos existentes nessas regiões.

Proposta nesse sentido já está sendo finalizada na Casa Civil e será encaminhada ao Congresso, segundo adiantou quinta-feira (3) o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, após participar de cerimônia em Brasília. A informação foi divulgada pela Agência Reuters.

Os detalhes do projeto ainda não são conhecidos. A iniciativa, de toda maneira, passa por cima de um debate que vem sendo feito pelo Congresso desde 2016, quando começaram a tramitar Propostas de Emendas Constitucionais (PECs) sobre a liberação ou não de terras indígenas para exploração econômica, porém com restrições.

Em 27 de agosto deste ano, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara deu parecer favorável à PEC 187/2016, que permite atividades agropecuárias e florestais em terras indígenas, desde que exercidas de forma direta pelas próprias comunidades. A PEC prevê que os indígenas terão autonomia para administrar os bens e comercializar os produtos.

No mesmo dia, no entanto, a CCJ rejeitou outra proposta, a PEC 243, esta de caráter mais agressivo, pois permitia o arrendamento das terras por produtores rurais, sem participação ou consulta às populações indígenas, apenas com a autorização da Fundação Nacional do Índio (Funai). A proposta foi considerada inconstitucional.

Quanto à PEC 187, deverá agora ser debatida por uma comissão especial e depois em plenário. Caso aprovada nessas etapas, segue para discussão no Senado.

Fonte: Brasil de Fato
Edição: João Paulo Soares

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.