1230 cientistas e ativistas pedem, em carta publicada na revista Nature, ação global para restaurar a política ambiental no Brasil

Foto: ©Fábio Nascimento/Greenpeace

Uma das principais publicações cientificas do mundo, a Nature Ecology & Evolution, publicou ontem, 3/2, uma carta-manifesto assinada por 1.230 cientistas e ativistas que clamam por uma ação global com o intuito de ajudar a restaurar a política ambiental no Brasil devido as ameaças sistemáticas do governo Bolsonaro ao meio ambiente e aos povos tradicionais. Eis o link: Help restore Brazil’s governance of globally important ecosystem services.

Os signatários querem que o governo brasileiro seja pressionado a cessar sua “agenda destrutiva”, revertendo esse processo antes que seja tarde demais. “A administração do presidente Jair Bolsonaro está desmantelando as políticas socioambientais do país, comprometendo a governança de serviços ecossistêmicos de importância global”.

Para eles, a saúde ambiental do país é imprescindível para toda a humanidade, portanto, não diz respeito apenas ao governo. “O Brasil tem uma grande responsabilidade, pois seus ecossistemas são fundamentais para toda a humanidade. Recentemente, a governança ambiental brasileira tem sido enfraquecida, colocando nosso futuro em risco”.

O artigo ainda destaca que “as consequências globais do novo sistema de governança degradado no Brasil implicam que todas as partes interessadas compartilham um interesse comum: tornar os ecossistemas brasileiros resilientes” e ressalta a importância de apoiar as empresas e os governos que estão comprometidos com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), definidos pela ONU em XXXXX. Seja por meio do uso estratégico de incentivos ou, no caso de governos estaduais e municipais, do estímulo à produção da agricultura sustentável, que respeita a biodiversidade e, assim, atrai mais investimentos externos.

Com a colaboração de integrantes dos povos tradicionais – com destaque para os indígenas -, os cientistas e ativistas propõem três eixos de ação para tornar possível a restauração da governança ambiental em nosso país:

1) desenvolver agroindústria sustentável;

2) proteger e restaurar ecossistemas;

3) fortalecer os direitos dos povos indígenas e tradicionais.

Esses foram os tópicos identificados, de forma bastante resumida, para integrar a mensagem de divulgação de seu manifesto em redes sociais.

Por: Mônica Nunes
Fonte: Conexão Planeta

Deixe um comentário