Indígenas do Vale do Javari denunciam investidas de evangélicos junto a povos sem contato

O temor das lideranças é de que as incursões abram as portas da terra indígena para “ações nefastas de proselitismo religioso em todas as aldeias”

Lideranças indígenas do Vale do Javari. Crédito da Foto: José Rosha
Lideranças indígenas do Vale do Javari. Foto: José Rosha/Cimi Norte I

A Coordenadoria Geral de Índios Isolados e de Recente Contato (CGIIRC), da Fundação Nacional do Índio (Funai), estaria sendo usada como “ponta de lança” numa investida “etnocida e genocida”, alertam lideranças dos povos indígenas do Vale do Javari. Em nota, a Univaja (União dos Povos Indígenas do Vale do Javari) denuncia que “alguns missionários vêm intensificando ações de cooptação de indígenas, sobretudo jovens estudantes com o objetivo de desestabilizar as ações do Movimento Indígena, dar a largada para uma corrida pela ‘conquista de almas’ por religiosos fundamentalistas e desbloquear os entraves para a exploração comercial de nossas terras por um projeto genocida de Governo”.

O temor das lideranças indígenas do Vale do Javari é de que as incursões de missionários fundamentalistas sejam consolidadas com objetivo de abrir as portas da Terra Indígena (do Vale do Javari) para “ações nefastas de proselitismo religioso em todas as aldeias que ‘não foram alcançadas pela bíblia’, inclusive as dos povos isolados, dessa vez, usando-se o órgão indigenista oficial”.

Lideranças da Univaja lembram que em outubro do ano passado indígenas do povo Matis denunciaram a presença de Andrew Tolkin, missionário estadunidense, nas proximidades do Igarapé Lambança, de onde pretendia chegar até a aldeias de indígenas sem contato com a sociedade envolvente que habitam aquela região. As incursões dele no interior da terra indígena de forma irregular já haviam sido denunciadas a Funai, Ministério Público Federal (MPF), Polícia Federal e Exército, dizem os indígenas.

“Naquele momento ele utilizava-se de um hidroavião, pilotado pelo missionário da ONG Asas do Socorro, Wilson Kannenberg, para burlar o controle de acesso da Funai na foz de alguns rios da terra indígena”, diz trecho da nota divulgada pela organização indígena.

Na semana passada, reportagem publicada por uma revista de circulação nacional dava conta de que a ONG Missão Novas Tribos do Brasil (MNTB) adquiriu um helicóptero para ingressar em terras indígenas com objetivo de converter os indígenas.

Na segunda semana de fevereiro passado, vários indígenas promoveram manifestação na cidade de Atalaia do Norte (AM) contra a nomeação do antropólogo e teólogo Ricardo Lopes para a CGIIRC. Por muitos anos ele atuou como missionário na Missão Novas Tribos do Brasil (MNTB).

O temor das lideranças indígenas do Vale do Javari é de que as incursões de missionários fundamentalistas sejam consolidadas. Crédito da Foto: José Rosha
O temor das lideranças indígenas do Vale do Javari é de que as incursões de missionários fundamentalistas sejam consolidadas. Foto: José Rosha/Cimi Norte I

A caminho dos Deni

Membros da Missão Novas Tribos do Brasil também entraram em aldeias do povo Deni do rio Xeruã, região do rio Purus, no município de Itamarati. De acordo com relato dos indígenas, um grupo de missionários esteve entre os dias 19 e 26 de fevereiro na aldeia Morada Nova, Rio Xeruã, no interior da Terra Indígena Deni, e para lá teriam se deslocado com apoio de pessoas de uma família Deni que mora na cidade.

De acordo com relatos dos indígenas, os missionários “utilizaram o pretexto de que só querem conhecer o povo e ajudar. Eles teriam levado um médico, uma pessoa para realizar um torneio com o povo e usaram como transporte um avião que pousa n’água e, no período da noite, teriam realizado cultos com a presença de indígenas de outros povos levados pelos próprios missionários”.

Para algumas lideranças os membros da Missão Novas Tribos teriam dito que poderiam ajudar o povo Deni com a construção uma pista de pouso para ir direto para a aldeia. A diretoria da Associação do Povo Deni do Rio Xeruã (ASPODEX) manifestou-se contrária à visita de missionários fundamentalistas, em cumprimento a uma decisão de assembleia do povo segundo a qual não admitiriam em suas aldeias presença que não estivesse de acordo com suas tradições.

Por: José Rosha
Fonte: Cimi

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.