Focos de queimadas na Amazônia no mês de junho é a maior dos últimos 13 anos

O aumento foi de 19,57% em relação ao registrado no mesmo mês em 2019

Sobrevoo pelo estado do Pará em 2019, registra garimpos ilegais, extrativisto de madeira ilegal, queimadas desastrozas, campos gigantescos para gado e etc.

Dados oficiais divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), mostram que os focos de queimadas na Amazônia no mês de junho foram maior do que nos últimos 13 anos. Foram registrados 2.248 focos de calor, um aumento de 19,57% em relação ao mesmo mês de 2019 quando foram registrados 1.880 focos, um volume que não era atingido desde o ano de 2007.

Numa tentativa de resolver o constante aumento de queimadas e desmatamento na Amazônia, o governo iniciou, em 11 de maio, a operação militar “Verde Brasil 2”, que tem um custo de 60 milhões, o equivalente a 80% do orçamento anual de fiscalização do Ibama, mas os resultados do investimento nas Forças Armadas ainda não foram apresentados.

Em entrevista ao jornal Estadão, Rômulo Batista, da campanha e Amazônia do Greenpeace, avalia que os próximos três meses poderão ser catastróficos ao País. “É difícil nutrir esperança de que a catástrofe ambiental que vimos no ano passado, marcada por uma série de queimadas criminosas, seja menor em 2020. Afinal, a contenção do colapso está nas mãos de um governo que joga contra o meio ambiente e vem se mostrando incapaz de combater a destruição do maior patrimônio de todos os brasileiros, a Amazônia”.

*Informações do jornal Estadão

Fonte: Amazônia.org.br

Deixe um comentário