Segundo servidores do Ibama desmatamento da Amazônia pode crescer 28% neste ano

Cálculo consta em documento técnico que considera o intervalo entre agosto de 2019 e julho 2020 , comparado com o mesmo período do ano anterior.

Mata derrubada para formação de pasto em Novo Progresso (PA)

Em carta aberta encaminhada ao presidente do Conselho da Amazônia, o vice-presidente Hamilton Mourão, mais de 600 servidores do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), alertam para um aumento de 28% no desmatamento consolidado na Amazônia entre agosto de 2019 e julho de 2020, em comparação com o mesmo período anterior.

A carta com a estimativa foi divulgada pela Associação Nacional de Servidores da Carreira de Especialista de Meio Ambiente (Ascema Nacional) na última quarta-feira (22). Além de se dirigir ao vice-presidente Hamilton Mourão, ela também foi encaminhada ao presidente do IBAMA Eduardo Bim, ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli.

Os dados foram obtidos através das detecções feitas pelo Deter, o sistema de monitoramento do Inpe, que já haviam revelado um aumento de 49,7% no desmatamento na região amazônica entre agosto de 2018 e julho de 2019 em comparação com o período anterior. Se comparado o aumento do desmatamento desde ano com os números de 2017-2018, pode chegar a 72%.

Segunda a Ascema, até o dia 9 de julho, o desmatamento consolidado, comparado com o ano anterior, era 13% maior. Mas, faltam ainda 21 dias para o fim do período de medição e a tendência é que o número aumente. A área total desmatada na floresta pode chegar a 13 mil km².

“Se no mês de julho deste ano constatar-se a metade do desmatamento que tivemos em julho de 2019, fecharemos o Deter dos 12 meses com 8.672 km². Se a proporção entre o que é detectado com o Deter se mantiver na média de 66% do Prodes, podemos estimar um Prodes 2020 chegando na casa dos 13 mil km² de desmatamento na Amazônia, um aumento estimado de 28% em relação a 2019 e 72% em relação a 2018”, diz a nota.

Na manifestação técnica, os funcionários cobram proteção ao meio ambiente “somente é possível a partir de uma regulamentação ambiental adequada. Consideramos inaceitável que o cenário de pandemia seja utilizado como pano de fundo para o enfraquecimento da legislação ambiental, fazendo-se necessário, ao contrário, revisão da legislação criminal, com agravamento de penas para os crimes ambientais”.

Eles exigem também a revogação do artigo 4º do Decreto 10.341/2020, que instituiu a Garantia da Lei e da Ordem (GLO), submetendo os servidores do Ibama à coordenação das Forças Armadas. A nota afirma que isso garantiria “autonomia institucional no que tange à seleção de alvos, ao emprego de estratégias e instrumentos de dissuasão estabelecidos na legislação”, refletindo em maior êxito das operações.

Na carta também tem uma crítica a eficácia da gestão financeira da GLO que, em apenas dois meses de duração, consumiu mais de R$ 124 milhões, 32% a mais do que o orçamento gasto pelo Ibama com fiscalização ambientais e combate a incêndios florestais nos 12 meses de 2019. O mesmo valor seria o suficiente para pagar o salário de 1.098 agentes de fiscalização ambiental por um ano inteiro.

Os técnicos do Ibama ressaltam que além da destruição ambientais, o avanço do desmatamento provoca prejuízos econômicos, como o enfraquecimento de relações com parceiros comerciais que adotam critérios de consumo sustentáveis, como por exemplo, o agronegócio, uma das principais fonte das exportações brasileiras, pode sofrer sanções caso os países compradores considerem que a produção é feita em áreas desmatadas ilegalmente.

“Impedir a destruição ambiental no Brasil possibilita inclusive o esvaziamento de pretextos para imposição de barreiras comerciais contra o Brasil. Seja como for, a conjugação de tais temas interessa à soberania nacional”, alertam os servidores do Ibama.

Fonte: Amazônia.org.br

Deixe um comentário

Um comentário em “Segundo servidores do Ibama desmatamento da Amazônia pode crescer 28% neste ano

  • 29 de julho de 2020 em 9:05
    Permalink

    É preciso mais carinho com a nossa querida Amazônia, é triste ver notícias assim, esperamos que medidas sejam tomadas para preservação de uma das maiores riquezas naturais do mundo!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.