Política ambiental de Bolsonaro é alvo de protestos nos Estados Unidos

Para manifestantes, Donald Trump e o presidente brasileiro são responsáveis diretos pela emergência climática

Neste 7 de setembro, protestos contra o governo de Bolsonaro também ocorreram em outros países – Defend Democracy in Brazil – NY

Duas das mais importantes cidades do mundo registraram protestos contra o governo de Jair Bolsonaro (sem partido), nesta segunda-feira (7), quando se comemora o Dia da Independência do Brasil.

Em Nova Iorque, o comitê Defend Democracy in Brazil (DDB) marchou em defesa do meio ambiente, contra as queimadas de floresta e pela saída de Donald Trump e de Bolsonaro do poder.

Em Paris, capital da França, protestos ocorreram na embaixada brasileira. Manifestantes usaram fumaça nas cores do movimento anti-fascista – vermelho e preto –  e projetaram frases como “Fora Bolsonaro”, “verás que um filho teu não foge à luta” e “por que sua esposa Michelle recebeu R$ 89 mil de Fabrício Queiroz?”. 

De que lado você está?

Para o comitê DDB, que organizou o protesto nos EUA, Bolsonaro e Trump são responsáveis diretos pela emergência climática.

O grupo lançou uma campanha de coalizão internacional para desmontar a imagem do presidente brasileiro, denominada “De que Lado Você Está? Amazônia ou Bolsonaro?”, levando a mensagem cunhada pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) para os EUA. 

Natalia de Campos, uma das fundadoras do DDB, explicou que um dos objetivos é denunciar Bolsonaro pela negligência de seu governo diante da pandemia de covid-19, principalmente, em territórios indígenas e pela aproximação do governo com grupos que “apoiam a destruição das florestas e do Pantanal brasileiro”. 

Emergência ambiental

O Pantanal, um dos biomas mais ricos em biodiversidade e importantes do planeta, passa pela maior seca e número de queimadas das últimas décadas. Somente nesse ano foram mais de 1 milhão e 200 mil hectares de área queimada, o que corresponde a oito vezes o território do município de São Paulo.

Segundo Marcos Rosa, coordenador do Map Biomas, o motivo da seca histórica advém de um efeito sistêmico, que está associado ao desequilíbrio climático e hídrico, ocasionado pela devastação de outros biomas importantes, como o cerrado e principalmente a Amazônia.

Desde o dia 15 de julho, o governo federal proibiu queimadas em todo o país por 120 dias, e na semana seguinte enviou militares e aeronaves para combater os incêndios no bioma.

Porém, ambientalistas afirmam que o socorro foi muito tarde e não arrefecerá os efeitos do desmonte dos órgãos responsáveis pela fiscalização na região, como o Ibama e o ICMBio.

Fonte: Brasil de Fato

Deixe um comentário