Após período sem barreiras sanitárias, Covid-19 faz vítimas entre os Sateré-Mawé

Avanço expressivo da COVID – 19 faz vítimas entre os Sateré Mawé da Terra Indígena Andirá-Marau no Amazonas

Amado Sateré-Mawé, tuxaua-geral do povo, está internado em estado grave com covid-19. O indígena contraiu a doença após a retirada da barreira sanitária no rio Andirá. Crédito da foto: Ascom/CTI

De setembro até o início de outubro, o número de casos confirmados de doença do novo coronavírus (Covid-19) entre indígenas atendidos pelo Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei) de Parintins aumentou em 120%. Boa parte desse aumento foi puxado pelo aumento de casos entre o povo Sateré-Mawé da Terra Indígena Andirá-Marau. Em agosto, o último boletim da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) registrava 79 casos no Dsei Parintins, que além dos Sateré-Mawé atende o povo Hixkaryana. No dia 8 de outubro esse número saltou para 174 casos confirmados, já são 7 óbitos entre os Sateré-Mawé.

Após a retirada da barreira sanitária no rio Andirá, em meados de agosto, a doença chegou nas comunidades desta calha de rio, até então sem registro de casos. Em pouco tempo já são 29 casos confirmados nas comunidades do Andirá, pelo menos dois internados em estado grave, e um óbito do tuxaua (chefe) Plácido Dias de Oliveira, da aldeia Boa Vista.

Os dois internados em estado mais grave são Abdias Takuru, motorista da Sesai do Polo Base Araticum, e o tuxaua (chefe) geral das comunidades do Andirá, Amado Menezes. Nos últimos dias o quadro do tuxaua Amado Menezes se agravou e ele precisará ser transferido para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em Manaus.

Na outra calha de rio que concentra comunidades da Terra Indígena, o rio Marau, a situação se agravou mais cedo. A barreira sanitária foi abandonada pelo Dsei ainda em maio. A equipe da Fundação Nacional do Índio (Funai) em Maués ainda manteve a barreira por mais tempo, até agosto, e depois a barreira ficou por conta apenas dos próprios indígenas. Nas comunidades do Marau são pelo menos cinco óbitos confirmados, dentre estes o tuxaua Otávio dos Santos, importante liderança do povo Sateré-Mawé.

Veja a evolução de casos confirmados pelo Dsei Parintins* desde abril e os sete óbitos até o momento:

*Não conseguimos informações com o Dsei Parintins de quantos são os casos entre o povo Sateré-Mawé e quantos são entre os Hixkaryana, que também estão na área de abrangência do Dsei. O gráfico mostra o aumento brusco de casos confirmados pelos boletins do Dsei no mês de outubro e cruza informações obtidas pela equipe do CTI junto às lideranças Sateré-Mawé que relataram o aumento de casos. Também não conseguimos informações se os sete óbitos confirmados pelo Dsei são os mesmo que listamos no gráfico acima a partir de informações coletadas junto aos Sateré-Mawé.

Tanto no rio Andirá, como no Marau, as barreiras sanitárias foram mantidas por equipes das Coordenações Técnicas Locais da Funai com apoio das prefeituras dos municípios de Barreirinha (no Andirá) e Maués (no Marau), mas sem a presença e sem apoio da Sesai. Os servidores da Funai reclamam a falta de estrutura.

“De todos os recursos liberados pela Funai, basicamente só aconteceu pagamento de diárias e duas parcelas de combustível. Nada de EPI (Equipamentos de Proteção Individual), álcool gel, nada. E mesmo o combustível é insuficiente, só por meio da prefeitura de Barreirinha conseguimos o suficiente”, conta Sergio Butel, coordenador técnico local da Funai em Parintins, que atua com as comunidades do Andirá.

Em meados de agosto encerrou a ordem de serviço dos servidores das Coordenações Técnicas Locais da Funai que atuavam nas barreiras no Andirá e no Marau. Os servidores enviaram um novo plano de trabalho, mas reclamam da demora para aprovação interna no órgão.

“A Funai demorou muito pra dar respostas para as nossas demandas, a pandemia se intensificou em março, só em junho disponibilizou recurso para diárias e combustível. Nesse tempo todo foi o município que manteve a barreira no Andirá. Depois não aprovou nosso plano de trabalho e ficamos uns 25 dias sem barreira, a entrada ficou sem controle, os indígenas vieram pra cidade, os não indígenas começaram a entrar pra terra e foi o suficiente para explodir o número de casos”, revela o coordenador local, Butel.

A grande maioria dos casos, nas comunidades do Andirá e do Marau, estão sendo tratados nas próprias aldeias. Mas tanto indígenas, como servidores da Funai, temem o agravamento dos casos, já que tanto nas aldeias, como nos municípios próximos não há estrutura suficiente para lidar com casos mais graves.

“A tendência é se espalhar no rio Andirá e termos mais casos. Nos municípios de Barreirinha e Parintins o alto índice nunca estancou e os jornais estão demonstrando o aumento de casos. A gente não tem prioridade nos hospitais que estão enchendo. Não estamos vendo nenhuma iniciativa das instituições, nem das lideranças que não sabem do perigo que estão correndo. A estrutura em Parintins é mínima, tem um limite baixo de leitos. Os casos mais graves devem ir pra Manaus, pra mais longe de suas famílias”, alerta Jossias Sateré-Mawé, presidente da Associação dos Kapi e das Lideranças Tradicionais do Povo Sateré-Mawé.

Os Sateré-Mawé também reclamam da subnotificação e da falta de transparência dos casos confirmados, já que os profissionais da saúde não estão repassando o detalhamento dos dados de contaminação por semana epidemiológica para cada povo sob a jurisdição do Dsei Parintins. Para Jossias, a falta de dados sobre a real situação do contágio nas comunidades impede a adoção de medidas efetivas de controle e prevenção da doença nas comunidades Sateré Mawé.

“A gente fica na agonia porque não há uma assertividade. Se tivéssemos uma campanha de fazer testes. O Dsei só faz testes quando as pessoas estão em casos graves”, diz.

O Servidor da Funai em Maués, Artur Batista de Oliveira também identifica a falta de diálogo com o Dsei Parintins como um agravante para a situação das comunidades no Marau.

“A maioria das comunidades já estão infectadas, Santa Maria, uma comunidade muito grande, morreu uma pessoa. O Dsei não informa a Funai sobre os casos, eles são muito fechados. Não estão divulgando”, lamenta.

Após o aumento brusco de casos de Covid-19, ainda no final de setembro, a Funai retornou com a barreira sanitária no rio Andirá. Em reunião, os tuxauas e lideranças Sateré-Mawé do Andirá reafirmaram o apoio às atividades da barreira na tentativa de conter o aumento de casos. O rio Marau segue sem barreira sanitária com a participação direta de equipe da saúde indígena e Funai local, mas o controle de acesso e saída tem sido realizado pelos próprios indígenas.

Tentamos por diversas vezes o contato com a equipe do Dsei Parintins para esclarecer o aumento dos casos, a ausência da equipe nas barreiras e para solicitar informações sobre os casos e óbitos entre o povo Sateré-Mawé. Não obtivemos respostas até a publicação da reportagem.

Plácido Sateré-Mawé não resistiu à covid-19 e morreu após a retirada da barreira sanitária no rio Andirá. Crédito da foto: Ascom/CTI

Descaso no atendimento

Em agosto, mesmo mês em que foram desfeitas as barreiras sanitárias nos rios Andirá e Marau, diversos conselheiros locais de saúde indígena do povo Sateré-Mawé levaram uma denúncia ao Ministério Público Federal sobre o descaso do Dsei Parintins no atendimento da comunidade Nova Esperança, no rio Marau.

A denúncia listava como principais motivos o descaso no atendimento e o abandono do Polo Base na aldeia Nova Esperança por mais de 40 dias, em plena pandemia. A denúncia citava ainda a falta de medicamentos e estrutura com equipamentos para a atenção básica, além da já comentada falta de informações oficiais sobre os casos confirmados de Covid-19. Junto com um ofício, os conselheiros enviaram um vídeo com depoimentos.

“Estamos sem enfermeiro e sem médico. Quase todo dia nosso polo recebe pessoas a procura de saúde, gente com febre”, disse Aristides Michiles, tuxaua e conselheiro de saúde do povo Sateré-Mawé da comunidade Nova Esperança, em vídeo entregue ao MPF.

“O polo atende 3 comunidades. Não tem medicamento, não tem equipe de apoio. O material que chegou dos expedicionários está trancado. Medicamentos contínuos e outros atendimentos não estão acontecendo”, revelou na ocasião Jeferson Santos dos Santos, presidente do Conselho Local de Saúde.

O abandono do Polo Base Nova Esperança foi justificado pela equipe de saúde do Dsei Parintins pela falta de segurança, devido uma situação de conflito com um membro da comunidade. A denúncia dos conselheiros de saúde do povo Sateré-Mawé também relatava a situação como fruto do descaso dos profissionais de saúde, já que o conflito aconteceu depois que um pai ficou dias sem saber da filha e só foi procurado para receber a notícia da morte, sem nenhuma preparação psicológica.

Otávio Sateré-Mawé também não resistiu à covid-19 e morreu após a retirada da barreira sanitária no rio Andirá. Crédito da foto: Ascom/CTI

Disputas eleitorais

Na opinião de lideranças do povo Sateré-Mawé as eleições municipais que se aproximam podem agravar a situação da pandemia. Tanto pela entrada de políticos nas Terras Indígenas e a promoção de torneios de futebol com apoio dos candidatos, como pelo fluxo dos próprios Sateré-Mawé que vivem nas cidades próximas, mas votam nas aldeias.

“Cerca de 150 pessoas de Parintins e mais umas 120 de Barreirinhas devem votar em comunidades no Andirá. Eu e minha família votamos na comunidade Porto Alegre. Isso é muito preocupante”, diz Lucio Menezes, indígena Sateré-Mawé que vive em Barreirinhas.

“Temos a certeza que nesse transito vai haver muita contaminação. Deveria ter mais campanhas de conscientização, de falar pra população sobre essa ameaça. Não caiu a ficha de que estamos numa guerra sanitária que não vai acabar até termos uma vacina”, comenta Jossias Sateré-Mawé, que atualmente vive em Parintins.

Por: Rafael Nakamura
Fonte: Cimi

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.