Após apagão, Amapá está há mais de 48 horas em meio a caos e no escuro

Diante de um crescimento nos casos de coronavírus no estado, o blecaute causa aglomerações em supermercados e postos de gasolina

Após forte chuva, um incêndio numa subestação de energia elétrica localizada ao norte de Macapá causou um apagão em 14 dos 16 municípios do estado do Amapá desde às 20h40 desta terça-feira (03). O blecaute compromete serviços de saúde, estações de tratamento de água e a comunicação no estado.

Incêndio atingiu subestação de energia durante chuva em Macapá — Foto: Reprodução
Incêndio atingiu subestação de energia durante chuva em Macapá — Foto: Reprodução

O prefeito de Macapá Clécio Luís (sem partido) decretou no fim da tarde desta quinta-feira (5) estado de calamidade pública na capital e o funcionamento 24 horas de postos de combustíveis.

Durante o blecaute moradores, principalmente em Macapá, relatam que ocorre grande procura em supermercados em busca de alimentos e água potável. A maior parte dos comércios locais não têm geradores e está fechada. Nos postos de gasolina, as filas imensas causam aglomeração. Bancos e caixas-eletrônicos também estão sem funcionar devido à falta de luz, apenas a agência do Banco do Brasil localizada na Zona Norte e que é uma das poucas a contar com gerador de energia elétrica em Macapá também causa aglomeração de pessoas.

O estado do Amapá enfrenta nas últimas semanas um aumento nos casos e internações por Covid-19, na noite desta quarta-feira (4) o governo do Estado e a prefeitura de Macapá anunciaram que mantiveram algumas das medidas restritivas anunciadas na semana passada, até o dia 10 de novembro.

O Senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), relata em vídeo divulgado por sua assessoria de imprensa que “a situação é tão grave que os principais hospitais do estado, como o Hospital das Clínicas (HC) e o de Emergências (HE) operam desde a madrugada de quarta-feira à base de geradores”.

Em portaria, o Ministério de Minas e Energia (MME), criou um gabinete de crise, com participação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), da Eletrobras e da Linhas de Macapá Transmissora de Energia S.A. (LMTE), agente titular da concessão de transmissão, com o objetivo, segunda a pasta, de reverter o apagão através da “atuação integrada de todos visando a buscar o rápido restabelecimento de condições normais de fornecimento de energia ao estado”.

Nesta quinta-feira (05), em reunião no Palácio do Setentrião, o Gabinete de Crise lançou três planos para a recuperar a eletricidade no estado, entre as propostas, está a recuperação de um dos transformadores queimados e que pode restabelecer cerca de 70% da energia do Amapá. Na quarta-feira (04), o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, viajou ao estado, para administrar a crise.

“Temos uma perspectiva de reparo de um dos transformadores, o que, se for bem-sucedido, restabelecerá entre 60% e 70% da carga do estado do Amapá. E estamos desencadeando outras ações para que, no prazo de até 30 dias, todos os transformadores necessários para dar total segurança energética ao estado estejam totalmente restabelecidos”, disse Albuquerque a jornalistas nesta quinta-feira.

Por: Nicole Matos
Fonte: Amazônia.org.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *