Brasil é o 4º país com o maior número de ativistas ambientais mortos

O maior número de assassinatos de ativistas ambientais em 2020 estão na América Latina.

De acordo com lista divulgada pela ONG Global Witness, neste domingo (12), o Brasil ficou em 4º lugar no ranking dos países que mais matam defensores do meio ambiente. Foram 20 mortos em 2020, mais de 70% dos casos aconteceram na Amazônia e metade deles teve como alvo povos tradicionais indígenas, ribeirinhos e quilombolas. Em todo o planeta, um terço dos ataques foi contra indígenas, mesmo que eles representem apenas 5% da população global.

No topo do ranking estão Colômbia (65 mortes), México (30 mortes) e Filipinas (29 mortes). Em 2019, o Brasil aparece em 3º lugar no ranking, com 24 assassinatos, deixando para trás apenas Filipinas (43 mortes) e Colômbia (64 mortes).

Segundo o relatório, o setor madeireiro é o mais ligado a assassinatos, com 23 casos, em países como Brasil, Nicarágua, Peru e Filipinas. No México, nove dos trinta ataques estão ligados à extração de madeira. A América Latina teve 165 assassinatos, o que representa 73% das mortes ligadas a conflitos por território em todo o mundo.

Confira a lista dos 10 primeiros países da lista:

  • Colômbia: 65
  • México: 30
  • Filipinas: 29
  • Brasil: 20
  • Honduras: 17
  • República Democrática do Congo: 15
  • Guatemala: 13
  • Nicarágua: 12
  • Peru: 6
  • Índia: 4

*Informações da Folha de São Paulo e G1

Fonte: Amazônia.org