Chico César, Maria Gadú, Thelminha e mais famosos vão a acampamento indígena em Brasília; veja fotos

Celebridades participaram de marcha pedindo mais proteção para esses povos, na quinta-feira (7). Grupo está acampado na capital desde segunda (4) e permanece até próxima semana.


Chico César, Cacique Marcos, Sônia Guajajara, Thelma e Carlos Rennó na entrega simbólica da petição "basta de violência" — Foto: Greenpeace Brasil/Divulgação

Chico César, Cacique Marcos, Sônia Guajajara, Thelma e Carlos Rennó na entrega simbólica da petição “basta de violência” — Foto: Greenpeace Brasil/Divulgação

Famosos participaram de uma marcha em defesa de mais proteção e pelo fim da violência contra povos indígenas, na quinta-feira (7), em Brasília. O ato foi parte da programação do 18º Acampamento Terra Indígena, que reúne mais de 200 povos, na Funarte, em Brasília. Os participantes chegaram à capital na segunda-feira (4) e devem permanecer até o dia 14 de abril.

Os cantores Chico César e Maria Gadú, a vencedora do Big Brother Brasil 20, Thelminha Assis, e o compositor Carlos Rennó estiveram no local.

https://c18bcc8a78f1038ba593780f63ab8755.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Durante a marcha, os manifestantes fizeram a entrega simbólica do abaixo-assinado “Basta de Violência Contra os Povos Indígenas“, ao Ministério da Justiça. A petição online conta com mais de 517 mil assinaturas.

Cantor Chico César e Cacique Marcos Xukuru — Foto: Greenpeace Brasil/Divulgação

Cantor Chico César e Cacique Marcos Xukuru — Foto: Greenpeace Brasil/Divulgação

A cantora Maria Gadú fez uma postagem nas redes sociais após a passagem pelo local. “Estamos aqui. A luta pela mãe terra é a mãe de todas as lutas! Aos povos tudo, o passado o presente é o futuro”, escreveu.

Maria Gadú no Acampamento Terra Livre — Foto: Maria Gadú/Divulgação

Maria Gadú no Acampamento Terra Livre — Foto: Maria Gadú/Divulgaçãohttps://c18bcc8a78f1038ba593780f63ab8755.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Na quarta, o grupo fez um protesto e marchou do local do acampamento até o Congresso Nacional. O ato foi para defender a demarcação de territórios e protestar contra a chamada “agenda anti-indígena”, composta pelo julgamento do Marco Temporal no Supremo Tribunal Federal (STF) e por projetos de lei que liberam a exploração de terras, o licenciamento ambiental e o uso de agrotóxicos.

Fonte: G1