Decreto que proíbe o fogo não impediu a Amazônia de registrar quase 5 mil focos de incêndios em julho

Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em julho a Amazônia registrou 4.977 focos de queimadas, mesmo tendo um decreto publicado em 29 de junho pelo governo proibindo o uso do fogo no bioma por 120 dias.

O estado do Pará lidera o ranking dos estados da Amazônia Legal que mais queimaram com 1372 focos, Amazonas vem logo em seguida 1173 focos, Mato Grosso registrou 1019. Rondônia ficou em quarto lugar com 836 focos, porém seu Porto Velho ficou em primeiro lugar no ranking dos municípios com 340 focos, quase 50% do total queimado no estado.

Matéria do G1 mostra que, de acordo com pesquisadores, as áreas desmatadas e ainda não queimadas desde 2019 acendem um alerta para a ocorrência do fogo na Amazônia. Reforçando a hipótese no aumento das queimadas, um levantamento do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) e do Woodwell Climate Research Center mostrou que uma área de 5 mil quilômetros quadrados desmatados na Amazônia, correspondente a 500 mil campos de futebol, está sob risco de queimada na temporada do fogo de 2021.

Fonte: Amazônia.org