Desmatamento na Amazônia segue em alta no mês de fevereiro

Nesta época os números de desmatamento costumam ser baixos por conta do período chuvoso da região, mas os alertas superaram os recordes de 2020

Em fevereiro os alertas de desmatamento na Amazônia Legal somaram 199 km², um aumento de 62% em relação ao mesmo mês de 2021, e o maior número já registrado para o mês desde o começo da série histórica em 2016. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (11) pelo Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe), por meio das medições do Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter).

Os dois primeiros meses deste ano também são o pior da série histórica do Inpe. Somando janeiro e fevereiro são 629 km², ultrapassando o recorde que havia sido registrado em 2020 de 470 km².

“Os dois primeiros meses deste ano tiveram áreas recordes da série histórica, no acumulado já são 629 km² mais do que o triplo do que foi observado no ano passado, 206 km² desmatados . Isso tudo em um período no qual o desmatamento costuma ser mais baixo por conta do período chuvoso na região. Este aumento absurdo demonstra os resultados da falta de uma política de combate ao desmatamento e dos crimes ambientais na Amazônia, impulsionados pelo atual governo. A destruição não para”, afirma o porta-voz da Amazônia do Greenpeace Brasil, Rômulo Batista.

O maior número de desmatamento foi no Mato Grosso, 78 km² de alertas. Em seguida vieram Pará, com 49 km², Amazonas, com 40 km² e Rondônia, com 23 km².

Roraima registrou 5 km² e o Maranhão ficou com 3 km². Acre, Amapá e Tocantins não tiveram alertas de desmatamento em fevereiro.

Fonte: Amazônia.org