Edmilson Rodrigues (PSOL), prefeito de Belém, retorna ao cargo após recuperação da covid-19

Vacinado com duas doses, Edmilson contraiu a doença e ficou afastado por 46 dias após ser infectado pela variante delta

Edmilson Rodrigues (PSOL) é recebido com flores pelo vice-prefeito, Edilson Moura (PT). – Reprodução/Twitter

O prefeito Edmilson Rodrigues (PSOL) reassumiu a prefeitura da cidade de Belém (PA) nesta terça-feira (16), pós 46 dias afastado por complicações causadas pela covid-19. Edmilson foi infectado pela variante delta, que é até 70% mais transmissível quando comparada à cepa original do novo coronavírus.

O retorno presencial ocorreu nesta terça-feira (16) e contou com a presença do vice-prefeito de Belém, Edilson Moura (PT), e de secretários municipais. 

Em seu Twitter, o prefeito agradeceu o carinho da população. “Já estou de volta. Com saúde e muita disposição. Mais uma vez, muito obrigado!”

O primeiro ato do prefeito foi a assinatura do convênio da recuperação da avenida Rômulo Maiorana (25 de setembro), no bairro do Marco. Em seu discurso de retorno, Edmilson agradeceu aos profissionais de saúde dos Hospitais Beneficente Portuguesa e Porto Dias, onde esteve internado. 

Por enquanto, o retorno do prefeito será de forma gradual. Assim, ele cumprirá meio turno de expediente em seu gabinete e fará atendimento online e por telefone. Além disso, semanalmente o prefeito será submetido a novas consultas que acompanharão a sua evolução no tratamento pós-covid. 

As complicações causadas pela covid-19 que acometeram o prefeito de Belém são consideradas raras. Segundo os médicos, a hemorragia que fez com o que prefeito precisasse passar por um procedimento laparoscópico foi causada por uma contratura muscular, que é quando o músculo faz a contração de maneira incorreta e não retorna ao seu estado normal de relaxamento.    


Linha do tempo do tratamento de Edmilson Rodrigues (PSOL) 

1º de outubro: testa positivo para a covid-19  

6 de outubro: é internado em um leito do Sistema Único de Saúde (SUS), no Hospital da Beneficente Portuguesa 

19 de outubro: recebe alta, após passar 12 dias internado

23 de outubro: retorna ao hospital, dessa vez o Hospital Porto Dias, após apresentar fortes dores nas costas e realiza drenagem de uma hemorragia localizada na caixa torácica ou cavidade torácica

24 de outubro: constata-se a necessidade de procedimento laparoscópico para cauterização e contenção de sangramento residual na caixa torácica, por meio exames de imagem e laboratoriais

27 de outubro: recebe alta da UTI 

31 de outubro: deixa o Hospital para continuar o tratamento contra a covid-19 em casa

16 de novembro: retorno ao trabalho presencial

Por: Catarina Barbosa
Fonte: Brasil de Fato