Governo do Pará pretende dar destinação social à madeira retirada durante construção de Belo Monte

O governo do Pará reagiu com indignação após ter conhecimento por meio de matéria publicada no Estadão, sobre a solicitação da empresa Norte Energia feita ao Ibama. Responsável pela construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará, a empresa pediu autorização para utilizar a madeira retirada durante as obras da usina para “fins energéticos”, o que significaria transformar em carvão. O governo declarou que vai adotar medidas para evitar que o material, suficiente para encher 120 caminhões, seja transformado em cinzas.

 “O governo do Pará informa que tomou conhecimento do caso através da denúncia do jornal O Estado de São Paulo e que considera inadmissível esta agressão aos nossos recursos naturais. O Estado vai buscar, por meios legais, receber as madeiras para dar uma destinação social, tendo em vista a prioridade do recurso para a construção de moradias, pontes, espaços públicos e etc.”, informou, por meio de nota divulgada pelo jornal.

A empresa Norte Energia, fez pedido para transformar em combustível mais de 3,5 mil metros cúbicos de madeira, dos quais mais de 2 mil m³ são madeira nobre, incluindo espécies em extinção e protegidas por lei federal, e alimentar os fornos da siderúrgica Sinobras. 

O Estadão teve acesso a um documento no qual a concessionária, enviou ao Ibama no dia 1º de setembro, para solicitar o “uso de madeira para fins energéticos”, afirmando que fez um levantamento sobre as condições físicas dos estoques de toras nos pátios de madeira da usina e que chegou à conclusão de que possui “3.502,40 m³ de toras de madeira, estocadas em pátio, que ainda apresentam condições de utilização”.

*Com informações do jornal O Estado de São Paulo

Fonte: Amazônia.org