Grito dos Excluídos e Excluídas chega aos 26 anos; conheça sua história

Movimento se junta ao #ForaBolsonaro e exige participação popular, comida, saúde, moradia, trabalho e renda

Em 1995, quando o Grito dos Excluídos e Excluídas foi às ruas pela primeira vez, o lema “A Vida em Primeiro Lugar” ecoava as demandas populares de um país carente de inclusão. A criação do real tinha pouco mais de um ano e contribuiu com uma relativa redução da pobreza, mas não surtiu efeito na desigualdade social brasileira.

As palavras de ordem da primeira edição se tornaram permanentes no movimento nesses últimos 27 anos. No Brasil de 2021, no entanto, elas têm um peso ainda maior, frente à morte de quase 600 mil pessoas ao longo da pandemia do coronavírus, ao crescimento da fome e à falta de compromisso do governo de Jair Bolsonaro com a preservação da vida da população.

“Nós levamos esse lema como mote principal. A vida em primeiro lugar”, afirma a economista Sandra Quintela, economista, educadora popular, integrante da Rede Jubileu Sul Brasil e uma das organizadoras do Grito (ouça a entrevista na íntegra no tocador de áudio abaixo do título desta matéria).

“Esta ano, especificamente, o lema é por participação popular, comida, saúde, moradia, trabalho e renda já. São as bandeiras específicas e necessárias. A gente precisa levantar a indignação das pessoas e sair desse quadro de anestesia”, completa Sandra.

História

O Grito dos Excluídos e Excluídas foi criado a partir da 2ª Semana Social Brasileira, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). A escolha do 7 de setembro como data fixa anual do movimento é um chamado para uma reflexão crítica sobre o Dia da Independência.

Como apontam os envolvidos e envolvidas na organização do evento histórico, a ideia é “superar um patriotismo passivo em vista de uma cidadania ativa” para construção de uma sociedade democrática, diversa e com justiça social para todos e todas.

Nesta terça-feira (7), o evento se junta à campanha #ForaBolsonaro, que estará nas ruas de centenas de cidades brasileiras e defende o afastamento do presidente Jair Bolsonaro, a garantia de vacinação de toda a população e comida no prato de brasileiros e brasileiras.

“A vida está muito dura para a classe trabalhadora e o grande responsável tem nome e sobrenome. Esse homem só administra transferindo recursos para os ricos”, ressalta Sandra Quintela ao comentar a junção dos dois movimentos.

“As pessoas estão morrendo de fome, de vírus e de bala. Neste dia tão simbólico, nós não estamos indo pra rua para enfrentar bolsonaristas, mas para reconstruir um país que está destruído. A gente precisa se embuir de coragem, de esperança, de força e resgatar nosso processo histórico de luta”, conclui a economista.

Por: Nara Lacerda
Fonte: Brasil de Fato
Edição: Leandro Melito

Imagem de Destaque: Primeira edição do movimento, no ano de 1995 – Arquivo Grito dos/as Excluídos/as