ISA vence Prêmio de Direitos Humanos da União Europeia por combate à Covid-19

Projeto vencedor promove uma aliança entre governo e sociedade civil contra a pandemia e executa planos emergenciais ao lado de parceiros indígenas, quilombolas e ribeirinhos

Segurança alimentar é um dos pilares das ações emergenciais realizadas pelo ISA e parceiros|Flavia Nascimento-ISA

O Instituto Socioambiental (ISA) é o vencedor do Prêmio de Direitos Humanos da União Europeia 2020 com o projeto “Planos emergenciais de combate à pandemia de Covid-19 ao lado de indígenas, quilombolas, ribeirinhos”.

O objetivo do prêmio, lançado pela Delegação da União Europeia no Brasil, é “reconhecer, incentivar e dar visibilidade a um projeto emblemático em andamento realizado por uma Organização da Sociedade Civil (OSC) brasileira, com foco na proteção e defesa dos direitos dos grupos vulneráveis mais atingidos pela pandemia e seus efeitos colaterais.”

Para Ignacio Ybáñez, embaixador da União Europeia no Brasil, foi “uma honra” ter entregado o prêmio ao ISA pelo projeto, “que abarcou vários estados brasileiros como São Paulo, Mato Grosso, Pará, Amazonas e Roraima”.

“Pudemos ouvir os testemunhos dos vencedores e foi uma lição de solidariedade e compromisso com a promoção dos direitos humanos. Parabéns e acima de tudo obrigado pelo seu exemplo!”, afirmou Ybáñez em uma rede social.

De luto e na luta pela dignidade e por direitos, o ISA mudou sua forma de trabalhar assim que a pandemia da Covid-19 se instalou no Brasil, em sintonia com orientações das autoridades sanitárias brasileiras e da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Imediatamente, o ISA começou a elaborar e executar planos emergenciais para atender urgências enfrentadas por seus parceiros históricos: as comunidades indígenas, quilombolas e ribeirinhas que vivem e protegem seus territórios no Vale do Ribeira (SP), no Xingu (MT e PA) e no Rio Negro (AM e RR).

A atuação emergencial do ISA foi inteiramente realizada em rede com articulação remota, envolvendo mais de 25 parceiros financiadores e 45 parceiros de execução nos territórios, entre associações locais, outras ONGs, universidades e órgãos governamentais municipais, estaduais e federais.

Conheça no detalhe as linhas de ação do ISA no combate à Covid-19 no site: emergenciacovid.socioambiental.org/ O ISA endereçou um dos principais desafios da atuação com povos indígenas e comunidades tradicionais: a falta de acesso a serviços de saúde em áreas remotas.

É a primeira vez em que o ISA atua em uma emergência humanitária. Até agora foram impactadas quase 70 mil pessoas em cinco territórios distintos que, somados, totalizam mais de 50 milhões de hectares de floresta – área equivalente à Espanha.

Produção e distribuição de produtos da floresta na Terra do Meio (PA)|Lilo Clareto-ISA

“Orientar nossas ações olhando para as reais necessidades é um princípio que o ISA não abre mão. Estamos falando de cuidar da vida das pessoas. Esse prêmio reconhece essa forma de atuar e nos dá mais força para continuar lutando, já que a situação segue se agravando a cada dia”, afirmou Rodrigo Junqueira, secretário-executivo do ISA.

Por dignidade e pelo direito à vida

Os planos emergenciais foram divididos em quatro frentes de atuação para garantir o direito à informação, o direito à saúde e à vida, e o direito à alimentação e à renda.

Uma catástrofe humanitária por si só, a pandemia foi agravada pela desinformação. Por isso, o ISA e seus parceiros criaram estratégias de comunicação para ofertar informações fidedignas sobre a pandemia respeitando as especificidades das populações, como áudios de WhatsApp, cartilhas impressas, rádios comunitárias e caminhões de som, com materiais nas línguas faladas nas comunidades.

Ao mesmo tempo, o ISA criou com o apoio de parceiros dois sites de monitoramento do avanço da Covid-19 com cruzamento de dados do governo e fontes locais para superar o impasse da falta de informações sobre a doença.

Acesse a versão com dados sobre a situação indígena: https://covid19.socioambiental.org/

Acesse a versão com dados sobre a situação quilombola: https://quilombosemcovid19.org/

Para contornar a dificuldade de acesso à saúde pública, o ISA desenvolveu a infraestrutura necessária para atendimento médico à distância com o uso da internet e contribuiu com a construção e a equipagem das “enfermarias de campanha” – ou UAPIs (Unidades de Atenção Primária Indígenas), fornecendo de geradores a equipamentos de proteção individual, bem como cilindros, concentradores de oxigênio e testes rápidos.

Cilindros de oxigênio usados na enfermaria do Médicos Sem Fronteiras em São Gabriel da Cachoeira (AM)|Juliana Radler-ISA

Em outra frente de trabalho, a continuidade da economia da floresta em pé nos territórios foi essencial para que indígenas, ribeirinhos e quilombolas pudessem permanecer em isolamento, com geração de renda e segurança alimentar, para protelar ao máximo a entrada do coronavírus em suas comunidades.

Ao mesmo tempo, produtos da floresta ajudaram a alimentar as cidades durante a pandemia. Alimentos sem agrotóxicos, com alto potencial nutritivo, fruto do trabalho do extrativismo e das roças dos parceiros, chegaram a famílias vulneráveis em contexto rural e urbano.

De forma complementar, também foram distribuídos utensílios para atividades produtivas das comunidades, como pesca e beneficiamento de produtos da floresta, e itens de higiene, como a´lcool em gel, máscaras e água sanitária.

O trabalho e as ações emergenciais contra a pandemia da Covid-19 continuam em 2021, de acordo com as necessidades dos parceiros do ISA e sempre em defesa de seus direitos.

Profissionais da equipe de saúde indígena reunidos no centro da aldeia Khikatxi, na Terra Indígena Wawi|Kamikiá Kisêdjê

Por: Roberto Almeida
Fonte: ISA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *