JBS e Vale rebatem relatório internacional que questiona suas metas de descarbonização

Os compromissos das 25 maiores empresas mundiais – incluindo as duas brasileiras – de atingir “emissões zero” são vagos, ambíguos e não tem integridade, diz estudo

Foto principal: ativistas protestam contra greenwashing em Luxemburgo. Imagem tirada em julho de 2020. Foto: @Sara Poza Alvarez/Greenpeace

O lançamento, nesta segunda-feira (27), de um relatório sobre a responsabilidade climática das maiores multinacionais do globo provocou agitação no mundo corporativo. Coordenado pelas entidades New Climate Institute e Carbon Market Watch, o documento revelou que os compromissos de atingir o chamado “net zero” em emissões de carbono das 25 maiores empresas globais, incluindo as brasileiras Vale e JBS, são vagos, ambíguos e não têm integridade. Empresas rebatem resultados.

As companhias analisadas, que incluem nomes como Google, Walmart, Apple e Amazon, tiveram receita combinada de US$ 3,2 trilhões em 2020. Suas emissões de CO2, incluindo toda a cadeia de valor, representam cerca de 5% do total mundial lançado na atmosfera (2,7 Gigatoneladas de Carbono equivalente).

Segundo o documento, em média, as metas dessas 25 empresas equivalem a reduções de 40%, e não ao carbono neutro (zero emissões), como prometem. Coletivamente, elas devem reduzir menos de 20% de sua pegada de carbono total nos anos estipulados em suas metas.

Batizado de Corporate Climate Responsability Monitor (Monitor de Responsabilidade Climática Corporativa), o levantamento classifica as empresas de acordo com a transparência e a integridade de suas promessas.

Nenhuma das 25 empresas listadas entrou na categoria “alta integridade”. A melhor colocada, a dinamarquesa Maersk, recebeu a classificação “razoavelmente integra”.

Um dos principais problemas apontados pelo estudo é a inconsistência dos planos para descarbonizar o chamado “escopo 3”, que inclui as emissões de fornecedores e clientes. Essas emissões compõem, tipicamente, a maior parte da pegada de carbono de uma empresa.

No caso das 25 estudadas, o “escopo 3” é responsável, em média, por 87% das emissões de gases de efeito estufa.

Análise de integridade das promessas

A adoção de metas de redução de carbono e carbono zero pelo mundo corporativo tem sido crescente nos últimos anos, muito por pressão de consumidores e financiadores. 

Segundo Natalie Unterstell, especialista em negociação climática e fundadora do Instituto Talanoa, a escalada de compromissos climáticos corporativos firmados até a 26ª Conferência do Clima da ONU, realizada no final de 2021, foi importante – até janeiro de 2022, a campanha da ONU Race to Zero (Corrida para o Netzero) já havia conseguido a adesão de mais de 3 mil companhias ao redor do mundo, o dobro do ano anterior.

No entanto, a especialista salienta que agora está mais difícil do que nunca discernir quais são os compromissos sérios e quais são apenas greenwashing. “As companhias estão com a faca no pescoço. Elas não só precisam dizer que têm metas, como têm que demonstrar como vão cumprir essas metas de transição. E esse estudo é muito importante porque mostra que as metas apresentadas até o momento não têm nível suficiente de transparência, muito menos de integridade”, disse, a ((o))eco.

Brasileiras

No documento, a mineradora Vale foi avaliada como tendo metas com “Baixa Integridade”. A empresa prometeu neutralidade de carbono em 2050, mas a meta inclui, segundo o relatório, apenas 2% das emissões totais associadas ao negócio – 98% são emissões de fornecedores e clientes.

O relatório também critica o uso de créditos de carbono e soluções baseadas na natureza como parte da estratégia da Vale para abater suas emissões. Segundo os especialistas envolvidos no relatório, técnicas que usam árvores ou solo – como a compra de créditos de carbono – deveriam ser consideradas como “contribuições climáticas”, uma espécie de política filantrópica e voluntária das companhias.

Isso porque, ao comprar créditos, segundo o documento, a empresa estaria se esquivando da responsabilidade de reduzir suas emissões por meio da adoção de melhores práticas. Além disso, florestas podem ser derrubadas no futuro.

Em resposta ao estudo, a Vale afirmou que “o desempenho anual de mudanças climáticas da Vale é avaliado por instituições especializadas, como Sustainalytics, Climate Action 100+, RFC Abriam, entre outras […] Em 2019, a Vale atualizou seus compromissos de redução de emissão, com base nos requisitos da Science Based Targets Initiative (SBTi)”.

Segundo a Vale, as metas assumidas estão alinhadas com as diretrizes do SBTi. Ela também afirma que “a companhia foi uma das primeiras a estabelecer uma meta quantitativa de redução das emissões de escopo 3, também baseada nos requisitos SBTi”. Leia nota completa aqui.

Já a gigante do setor frigorífico JBS foi classificada como tendo metas com “Muito baixa integridade”. Segundo o documento, a promessa de neutralidade em 2040 deixa de fora 97% das emissões na cadeia da empresa, incluindo aquelas associadas ao desmatamento por parte de suas fazendas fornecedoras, afirma o estudo.

A JBS também só contabiliza a fermentação entérica (processo digestivo) de suas operações próprias. O metano gerado em propriedades dos fornecedores não é contabilizado.

Em resposta enviada a ((o))eco, a JBS disse que: “A Companhia acredita que o relatório Corporate Climate Responsability Monitor 2022 e sua metodologia induzem a erro. O compromisso Net Zero da JBS foi formalmente aceito em 2021 pelo Science-Based Targets Initiative (SBTi), que define e promove as melhores práticas no estabelecimento de metas climáticas. A JBS se comprometeu a fornecer seu plano de metas coerente com os critérios estabelecidos pelo SBTi, contemplando as emissões de escopos 1, 2 e 3, em toda a sua cadeia produtiva global”.

A Science-Based Targets Initiative (SBTi) também publicou uma nota comentando o estudo. Nela, a iniciativa diz que está “realizando uma revisão abrangente de nossos métodos e critérios de definição de metas de escopo 3 [emissões de fornecedores e clientes]” para garantir que estejam alinhadas com os novos padrões net-zero da validação.

“Até agora, o SBTi era o padrão mais rigoroso, era onde a régua estava. Mas o problema não é a ‘régua’, são as empresas mesmo. Esse estudo mostra que é preciso ir além nas questões da integridade e da ação. É muito chocante esse dado que fala que as empresas vão reduzir apenas 20% de sua pegada global. Isso é pouquíssimo! Estão prometendo 100 e entregando 20!”, finaliza Natalie Unterstell.

Por: Cristiane Prizibisczki
Fonte: O Eco