Monte Roraima – Fred Schiffer

O fotógrafo Fred Schiffer foi ao pico do Monte Roraima para registrar a região – sua situação atual, impactos do turismo na área, entre outros detalhes.  A escolha do lugar, segundo ele, se deu por se tratar de um dos lugares mais antigos do mundo: sua formação tectônica data de mais de dois bilhões de anos.

Cume da tripla fronteira entre as florestas amazônicas do Brasil, da Venezuela e da Guiana Inglesa, o Monte Roraima é também um paraíso natural e a principal fonte de água para populações tradicionais que lá vivem.

 

Depoimento: Alto do Monte Roraima, marcado por formações rochosas de milhões de anos (2.700 metros de altura)
Depoimento: Uma pequena rã chamada cientificamente de Oreophynella Quelechi - uma espécie endêmica do Monte

 

Depoimento: Espécie vegetal do Monte
Depoimento: O fotógrafo em um dos "hotéis": cavernas que abrigam e servem de acampamento

 

Depoimento: Início da trilha saindo do Rio TOK, indo em direção ao acampamento base: 5 horas de caminhada
Depoimento: Um casal de idosos que completou o trajeto na descida do Monte Roraima já próximo à comunidade Paraitepuí, dentro da sede do Inparques (instituição que controla o acesso ao Monte)

 

Depoimento: Cascavel capturada no acampamento base próxima às barracas - a proximidade de animais selvagens é cada vez maior
Depoimento: Fim do dia: o reflexo do sol nas escarpas do Monte Roraima

 

Depoimento: "Jacuzzis" naturais no alto do Monte
Depoimento: Vista da cidade Santa Helena (Venezuela ) encoberta pela nuvens a partir do acampamento militar a 1.500 metros de altitude

 

Depoimento: Monte Roraima visto da estrada em Santa Helena (Venezuela), em direção à comunidade Paraitepuí.
Depoimento: Monte Roraima visto do Rio TOK

 

Depoimento: Líquens no início da trilha de subida para o Monte - Ao longo da subida, há uma mudança muito grande no tipo de vegetação, devido à grande umidade
Depoimento: Diversidade de formações rochosas, paisagem típica do Monte Roraima
Depoimento: Monte Roraima visto do rio Kukenan

 

Depoimento: Crianças indígenas brincam com gafanhotos
Depoimento: Imagem da savana parcialmente queimada já no retorno do Monte

 

Depoimento: Formação rochosa na trilha em direção ao acampamento base
Depoimento: Fim do dia no acampamento base - 1870 metros

 

Depoimento: A abundância de água em função do alto índice pluviométrico da região, favorecendo a formação de lagos e pequenas cachoeiras
Depoimento: Epidendrum - uma espécie de orquídea, abundante nas matas do Monte

 

Depoimento: Fim do dia no acampamento base a 1.870 metros de altitude
Depoimento: O monte Roraima visto no início da manhã do primeiro acampamento próximo ao Rio TOK

 

Depoimento: O Monte Kukenan (2.650 metros) visto da parte baixa do Monte Roraima
Depoimento: Os índios negociam o valor para carregamentos de bagagens até o Inparques, órgão responsável pelo acesso ao Monte Roraima. Só permitem que os índios carreguem até 15 quilos, a fim de garantir a mão de obra para a comunidade

 

Depoimento: Trilha bem marcada em direção ao acampamento base
Depoimento: No acampamento TOK, o cozinheiro prepara o jantar com um botijão de gás

 

Depoimento: Comunidade Paraitepuí já com as novas construções de casas feitas pelo Governo Chaves - no centro da vila há um busto em bronze de Simon Bolívar
Depoimento: Amanhecer no acampamento base (1.870 metros) - vista de dentro da barraca

 

Depoimento: Kukenan ao fundo, com uma queda d'água formada recentemente pelas chuvas
Depoimento: Fim do dia com vista para o monte Kukenan

 

Depoimento: Monte Kukenam (2.650 metros)
Depoimento: Na comunidade Paraitepuí um índio toma o Caxixi, uma bebida alcoólica feita artesanalmente

 

Depoimento: O guia e o cozinheiro na parte da trilha, rumo ao topo, conhecida como o "passo das lágrimas"
Depoimento: Queimada feita pelos funcionários do Inparques no acampamento base para abrir espaço para as barracas dos turistas

 

Depoimento: Depois das chuvas, várias quedas d'água surgem no Monte Roraima e Kukenan alimentando os Rios TOK e Kukenam, fundamentais para a sobrevivência das comunidades
Depoimento: O monte Roraima visto do acampamento Kukenan

 

Depoimento: Queda d'água no Monte Roraima

44 comentários em “Monte Roraima – Fred Schiffer”

  1. rodrigo coutinho guedes da silva

    boa tarde.
    muito bom seu relato do monte rorama.
    estarei indo para o monte em maio…
    esse sera meu presente de aniversario.
    suas fotos,seu relato,esta ajudando muito.
    abraço.

    1. Legal voce ter gostado, nao se esqueça de levar sacos plasticos para proteger as cameras e baterias reservas , ja que durantes dias voce não terá como carregar a máquina .Fique atento a variaçao de temperatura que pode travar a máquina.O aconselhavel deixa-la bem acondicionada em uma bolsa .Um super viagem e aproveite.Fred Schiffer

  2. Penso que um livro escolar (ensino fundamental) sobre o Monte Roraima seria muito oportuno.
    Aguardo por sua manifestação, Fred.
    Parabéns por este belo trabalho!
    Arnaldo – Rio de Janeiro

  3. aparecida helena vicentin

    Monte Roraima – Fred Schiffer
    Com satisfação tenho uma noticia e fotos maravilhosas dos rincões de nosso Brasil . Como brasileira de paixão , mistura de algumas gerações desvabradoras , é inoportuno a divulgação de que as regiões fronteiriças do Brasil sejam mantidas , preservadas e cuidadas por organizações que possuem a missão de sustentação , através de parceiros que estejam realmente interessados no proximo milênio natural .

    1. Olá , gostei muito do seu trabalho , são fotos muito bem elaboradas , sou professor de Geografia , e gosto das imagens para trabalhar em sala de aula com meus alunos , se me permitir que use suas imagens seria interessante . Se tiver outras imagens , de outras localidades , se puder me mandar , ficaria muito agradecido …
      Osvaldo – Paraná .

  4. Estao lindas e transmitem toda a magia deste lugar que é considerado um dos menos afetados pelas atividades humanos. Só para exemplificar a maioria dos venezuelanos nao o conhecem!
    Mas tenho uma correção para aportar as legendas: a bebida feita artesanalmente de mandioca se chama CAXIRI.

  5. Visitei Boa Vista março/2013, e pude ver ,da estrada, o Monte Roraima. Fiquei encantado com tudo aquilo., pena que não pude visita-lo de perto. As fotos são todas lindas e nos dar uma ideia real do lugar.

    Abraços.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *