Onças encontradas mortas no Pantanal foram envenenadas por agrotóxico, conclui PF

O inseticida Carbofurano, agrotóxico cuja venda é proibida no país, foi usado para envenenar as onças-pintadas. Carcaças foram encontradas em junho de 2021, já em estado de decomposição

Sandro, a onça-pintada estava sendo monitorada. Paralisação do sinal deu o alerta de que algo poderia ter ocorrido/ Foto: Pedro Nacib Jorge Neto/Instituto Reprocon

A Polícia Federal concluiu que o inseticida Carbofurano foi a substância responsável pelo envenenamento e morte das duas onças-pintadas (Panthera onca) e mais outros 17 animais – entre eles, urubus, um gavião carcará, um cachorro do mato, uma vaca, além de várias moscas, que não entraram na conta – no município de Corumbá, no Mato Grosso do Sul, ocorrido em junho do ano passado. 

Na ocasião, assim que as carcaças foram encontradas, já se desconfiava que o Carbofurano era a substância jogada na carcaça da vaca usada para atrair as onças, uma forma comum de retaliação por predação de gado, assim como é comum a morte de gatos domésticos misturando carne envenenada com chumbinho.

Os animais foram encontrados pelo Instituto Reprocon (Reprodução Para Conservação), que monitorava uma das onças. Além de encontrar uma outra onça, na carcaça da vaca havia moscas mortas e nas proximidades foram encontrados 14 urubus, um gavião carcará e um cachorro do mato. 

O uso do Carbofurano foi proibido no Brasil em 2017, mas seu uso ainda é comum no Paraguai, que faz fronteira com Corumbá. Segundo a PF, a conclusão do laudo permitiu não apenas a confirmação da substância, como o indiciamento dos responsáveis pelo envenenamento dos animais. Os nomes dos indiciados não foram divulgados.

Por: Daniele Bragança
Fonte: O Eco