Queimadas na Amazônia durante o mês de julho tem aumento de 8% em comparação ao ano anterior

Os dados são contabilizados pelo BDQueimadas do Inpe que registraram 5.373 incêndios florestais

De acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), em julho de 2022 a Amazônia contabilizou 5.373 focos de incêndio, se comparado ao mesmo período de 2021, quando foram detectados 4.977 focos, o aumento foi de 8%. Em 2019 os números também ficaram na casa dos 5 mil (5.318) e em 2020 ultrapassaram seis mil (6.803).

Segundo o Inpe, os números de incêndios acumulados de janeiro a julho de 2022, contabilizam 12.906 focos, houve um aumento de 13% em comparação ao mesmo período de 2021.

Juntos, o estado do Pará e do Amazonas representam mais de 50% dos focos registrados, foram 31,3% (1.681 focos) e 26,6% (1.428) para cada um respectivamente. O Mato Grosso também registrou números elevados de incêndios foram 1.196 (22,3%). Os 19,8% representam um acumulado de focos em Rondônia (555), Acre (313), Maranhão (146), Tocantins (37), Roraima (12) e Amapá (5).

Em 22 de junho, o governo publicou no Diário Oficial da União, decreto que proíbe a utilização de fogo por 120 dias em territórios da Amazônia e do Pantanal, isso torna ilegal os mais de 5 mil focos de queimadas registrados. A proibição ocorre porque julho é o mês que dá início a estação seca na região amazônica, o que eleva os números de queimadas.

Fonte: Amazônia.org