Reino Unido “empurra” ao Brasil uso de agrotóxicos que vetou em seu território, diz relatório

Estudo mostra que aumento da relação entre países aprofunda degradação do meio ambiente brasileiro

“Uso excessivo de pesticidas altamente tóxicos no Brasil está contribuindo para a destruição da Amazônia”, diz coordenador de estudo – EBC/Agência Brasil

“O Reino Unido está exportando sua pegada de agrotóxicos para outros países”. É assim que o jornal britânico The Guardian começa um texto em que divulga um novo relatório da Pesticide Action Network UK, publicado nesta quarta-feira (23). Clique aqui para ler a íntegra do relatório.

Baseada no estudo, a reportagem mostra que o aumento do comércio com o Brasil está “financiando” por aqui o uso de agrotóxicos que são proibidos no território da Grã-Bretanha. 

Ambientalistas consultados pela reportagem do The Guardian disseram que o aumento do comércio exterior com o Brasil no pós-Brexit (saída do Reino Unido do bloco econômico da União Europeia) pode incentivar o uso desses agrotóxicos e contribuir com a destruição do meio ambiente brasileiro, em especial da Amazônia.

“O secretário de comércio do Reino Unido está promovendo o comércio com o Brasil como ‘oportunidades reais para avançar no comércio verde’. Enquanto isso, o uso excessivo de pesticidas altamente tóxicos no Brasil está contribuindo para a destruição da Amazônia e de outros ecossistemas de importância crucial, contaminando a água e envenenando trabalhadores rurais e comunidades”, afirmou à reportagem o chefe de políticas e campanhas da Pesticide Action Network UK, Josie Cohen.

“No entanto, o governo não forneceu detalhes sobre como garantirá que os alimentos brasileiros vendidos nas prateleiras do Reino Unido não contribuam para a crise global do clima e da natureza”, concluiu Cohen.

Contradições

Em entrevista, Vicki Hird, coordenadora da campanha de agricultura sustentável da Sustain, afirmou que o Reino Unido promove campanhas valorizando a redução no uso de agrotóxicos em seu território. Segundo ela, porém, parece não ter problemas em “exportar” os impactos ambientais e de saúde humana para o Brasil.

“A maioria dos consumidores do Reino Unido não tem ideia de que parte da carne que estão comendo foi alimentada com soja cultivada com produtos químicos altamente tóxicos. No momento, o governo do Reino Unido está falando bem na redução dos danos causados ​​pelos pesticidas no Reino Unido, mas parece não ter problemas em exportar nossas pegadas ambientais e de saúde humana para o Brasil”, disse Hird.

A reportagem aponta ainda a possibilidade de os impactos se aprofundarem com a aprovação de novas normas legais para regulação do uso de agrotóxicos no Brasil, como o Pacote de Veneno. O Brasil de Fato tem mostrado que esse projeto de lei flexibiliza ainda mais o uso de agrotóxicos e é “patrocinado” por ruralistas e representantes do agronegócio.

“O governo brasileiro está atualmente promovendo um projeto de lei que reduziria as leis para proteger a saúde humana e ambiental dos pesticidas. Mesmo sem esse novo pacote de leis, os agricultores brasileiros podem usar quase o dobro de pesticidas perigosos que os do Reino Unido, incluindo o herbicida letal Paraquat, que causou dezenas de milhares de mortes em todo o mundo por envenenamento agudo, e neonicotinóides , que são tóxicos para as abelhas”, diz o texto. 

Recentemente, o governo do Reino Unido propôs um projeto de lei que punirá as empresas que têm desmatamento em suas cadeias de suprimentos, incluindo agricultores na Amazônia que desmatam a floresta tropical. No entanto, não existe tal lei para pesticidas.

Por: Paulo Motoryn
Fonte: Brasil de Fato