Ricardo Salles critica COP-26: “Querem convencer que peido do boi é culpado do efeito estufa”

Acusado de facilitar contrabando de madeira, ex-ministro do Meio Ambiente critica acordo para reduzir emissão de metano

O advogado e ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles deixou o cargo em junho deste ano em meio a um escândalo de proporções internacionais e investigado por denúncias de agir em conluio com uma quadrilha contrabandista de madeira ilegal oriunda da Amazônia.

Nesta terça-feira (2), ele achou por bem publicar em suas redes sociais um comentário crítico ao  acordo firmado entre mais de 100 líderes mundiais para reduzir em 30% as emissões de metano até 2030 em relação aos níveis de 2020. O anúncio foi feito durante a COP26 – Conferência Mundial sobre o Clima da Organização das Nações Unidas (ONU) que começou neste final de semana em Glasgow (Escócia). Disse o ex-ministro investigado:

Os (países) ricos querem convencer o mundo de que o problema dos gases de efeito estufa está no peido de boi e não nos combustíveis fósseis que eles queimam loucamente há 200 anos

Ricardo Salles, apontado pela Polícia Federal como suspeito de facilitar o contrabando internacional de madeira advinda do desmatamento que retira a floresta para dar espaço ao pasto e à agropecuária, se refere ao gás metano, que é produzido durante a digestão do capim ingerido por bois.

É um fato científico inconteste que o metano é um dos maiores responsáveis pelo chamado “efeito estufa”, que aumenta a temperatura média do planeta. Estudo da Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos, por exemplo, estima que aproximadamente 25% do metano nos Estados Unidos é oriundo de vacas.

Já o Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa (Seeg) indica que o setor que emite 70% do gás metano no Brasil é, justamente, o agropecuário. Reduzir essas emissões de metano é um importante objetivo de ambientalistas (de países ricos e pobres) que tentam atenuar os impactos das mudanças climáticas no planeta. 

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi à Europa para participar da 16ª Cúpula do G20 na Itália (onde foi recebido com protestos), mas na COP26 resolveu não dar as caras.

Oficialmente, o Planalto declarou que foi por questão de agenda. Já o vice-presidente Hamilton Mourão afirmou que se Bolsonaro fosse, “todo mundo” iria “jogar pedra nele”. 

Depois de seguidos vexames internacionais – entre os quais discursos mentirosos em todas reuniões da ONU; recentes agressões à jornalistas por parte de sua equipe de segurança; a troca do nome do enviado dos EUA para questões climáticas, John Kerry, pelo ator e humorista Jim Carrey – a ausência do presidente brasileiro na Conferência pode ter sido motivo de alívio para alguns.  

Mas as declarações de Ricardo Salles fazem lembrar que não é preciso estar fisicamente no encontro multilateral planetário para fazer ecoar visões bolsonaristas a respeito das pautas ambientais.  

Por: Gabriela Moncau
Fonte: Brasil de Fato