Salles fica e vai representar o governo na COP 26, em novembro

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Mudança na presidência dos EUA, disputas internas, brigas entre ministros, nenhum desgaste parece afetar a boa relação entre o ministro Ricardo Salles e o presidente Jair Bolsonaro, que fez questão de descartar publicamente mudanças no Ministério do Meio Ambiente. Na quinta-feira (03), o presidente afirmou que Salles representará o país na 26ª Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas, que ocorrerá em novembro, no Reino Unido.

O ministro conta com total apoio do Palácio do Planalto. E nem mesmo a subida no tom das críticas dos exportadores, receosos com os acenos dos países europeus em boicotar produtos brasileiros – a França anunciou pacote de 100 milhões de euros para deixar de importar soja brasileira e o governo do Reino Unido apresentou uma lei para impedir que empresas britânicas comercializem commodities que estejam relacionadas com o desmatamento ilegal – parece diminuir seu prestígio.

“Pronto para a COP-26, você representar o Brasil lá no Reino Unido?”, perguntou Bolsonaro, na live semanal do presidente. “Vamos lá para a COP-26, direto do Reino Unido, defender os interesses do País”, respondeu o ministro.

Na segunda-feira (30), o vice-presidente Mourão anunciou, junto com o ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, o aumento de 9,5% de desmatamento na Amazônia, atingindo a marca de 11.088 km². Na mesma live, na quinta, Bolsonaro comemorou que o desmatamento não está tão grande assim.

“O desmatamento deste ano está mais ou menos no patamar do ano de 2008, portanto bem abaixo do que foi 2004 e 2005”. “Isso não quer dizer que nós estejamos contentes com isso, mas tem que trazer prosperidade para a região”, disse.

Por: Daniele Bragança
Fonte: O Eco/ Salada Verde

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *