Secretária de Saúde chora ao relatar racismo a vereadores em MT: “Cor não me define”

Ozenira Félix diz que sofre “chuva” de manifestações discriminatórias em suas redes desde que assumiu cargo em Cuiabá

Secretária assumiu cargo em outubro de 2020, em plena pandemia – Luiz Alves / Prefeitura de Cuiabá

A secretária de saúde de Cuiabá (MT), Ozenira Félix, chorou durante sessão da Câmara Municipal, nesta terça-feira (27), ao afirmar que vem sofrendo injúrias raciais desde que assumiu o cargo, em outubro de 2020.

Episódios de racismo são frequentes, mas assumiram outra proporção, na interpretação dela, devido à importância do cargo na Secretaria.

“Temos diversas situações que envolvem [racismo] no dia a dia, e eu ainda assumi [o cargo] em um momento de pandemia. Tem a questão de assumir uma função dessa com o impacto, e estou contando a minha história por causa disso, pelo impacto de eu ser negra. Esses dias eu tenho sentido o que não senti na minha carreira inteira”, relatou.

Ozenira deixou claro que não estava se referindo aos vereadores, mas ao conjunto da população, devido à “chuva” de manifestações racistas que observou em suas redes sociais.

“Tenho que fazer esse desabafo não para vocês, mas para a população: não se define uma pessoa pela cor. Minha história muito maior que isso”, completou.

Mato Grosso lidera o ranking de registros de casos de injúria racial proporcional ao número de habitantes, segundo a 14° edição do Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Entre 2018 e 2019, houve um aumento de 15% nas ocorrências.

Essa é a segunda vez no ano que Félix vem a público declarar que sofreu racismo. A primeira foi em janeiro, quando lembrou um episódio ocorrido durante o governo Blairo Maggi (PP).

“Desde quando preto fala com o governador?”, ela disse ter ouvido da boca de um prefeito do interior do estado, quando atuava na direção da Secretaria Estadual de Saúde e aguardava para participar de uma reunião com Maggi.

Graduada em Letras, Ozenira já trabalhou como professora de língua portuguesa, com habilitação em língua inglesa, e tem especialização em Teorias de Linguagem e em Didática Geral.

A secretária também tem pós-graduação em administração pública pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Antes de assumir o cargo na Prefeitura, atuou como superintendente-adjunta de Gestão de Pessoas da Secretaria de Administração, superintendente-adjunta de Gestão de Pessoas da Secretaria de Saúde, diretora da Escola de Saúde Pública de Mato Grosso, servidora de carreira de Gestor Governamental de Mato Grosso e secretária-adjunta de Gestão de Pessoas da Secretaria Estadual de Administração.

O Brasil de Fato aguarda retorno de Ozenira Félix para obter mais informações sobre os crimes de injúria racial relatados. A reportagem tentou localizar as mensagens nas redes sociais da secretária, mas o acesso está restrito a amigos.

A participação da secretária na sessão desta terça está relacionada a uma denúncia feita pelos vereadores Diego Guimarães e Maysa Leão, ambos do Cidadania, na semana passada. Os dois alegam ter encontrado medicamentos vencidos no Centro de Distribuição de Medicamentos e Insumos (CDMIC) do município e acionaram a Delegacia de Combate a Corrupção e o Ministério Público para apurar o caso.

Enquanto a investigação avança, Ozenira foi chamada para prestar esclarecimentos.

Por: Daniel Giovanaz
Fonte: Brasil de Fato