Turismo comunitário faz contraponto à proposta de exportação de soja de MT via Santarém (PA)

Iniciativa acontece no Lago do Maicá, área visada para a construção de porto para escoamento de soja do Mato Grosso

Desde 2013, o Lago do Maicá é visado para a construção de portos que escoariam a soja produzida no Mato Grosso – Projeto Encantos do Maicá

Na cidade de Santarém (PA), o Lago do Maicá chama a atenção pela paisagem verde, cheia de animais e com um belo pôr do sol. Desde maio de 2021, jovens do bairro Pérola do Maicá querem aproveitar o potencial turístico do local. O turismo de base comunitário é uma alternativa de renda em uma área visada por grandes empreendimentos. Desde 2013, há projetos para a construção de portos no lago, com o objetivo de escoar a soja produzida no Mato Grosso e exportada, em sua maioria, para a Europa.

“Já fizemos rotas com alguns turistas, e agora neste ano estamos com plano de ação de formação”, explica William Victor, coordenador do projeto Encantos do Maicá.

Assista:

Após muita pressão das comunidades do entorno, elas foram ouvidas pelo poder público, mas o projeto de construção de portos acabou sendo aprovado mesmo assim, conforme conta Diana Maria, coordenadora da pastoral da juventude de Santarém:

“Em 2018, aconteceu uma conferência municipal. A conferência municipal aqui na cidade visa o Plano Diretor que acontece de dez em dez anos. Nisso, os movimentos populares e diversas instituições decidiram ‘não’ aos portos, que estavam em projeto para a grande área do Maicá. Dois meses depois, na surdina, a Câmara dos Vereadores aprovou o projeto de lei, o prefeito fez isso na calada da noite”.

William Victor reforça que a iniciativa de turismo comunitário visa mostrar para as comunidades que é possível gerar renda sem comprometer o modo de vida tradicional e a sustentabilidade. “O Lago do Maicá é um grande berçário de animais, tanto espécies de peixes como espécies de aves. Tem que ter algo que possa somar com as comunidades, e não tirar as famílias que aqui residem”, afirma o coordenador.

Além dos passeios turísticos de barco, o Projeto Encantos do Maicá também promove feiras agroecológicas e oficinas para valorizar e difundir os saberes locais. “Tem muita gente trabalhando com cultura, artesanato, utilizando produtos da própria floresta, do próprio lago pra fazer artesanato’, explica o artista plástico Carlos Alves, que integra o projeto. Ele ressalta a importância de envolver comunidades indígenas e quilombolas que dependem do lago para sobreviver. 


Exportação da soja do Mato Grosso via Santarém / Arte: Brasil de Fato

Brasil de Fato entrou em contato por e-mail com a prefeitura de Santarém e com a Empresa Brasileira de Portos de Santarém (Embraps) para saber se há previsão de instalação dos portos e se o poder público e a iniciativa privada têm projetos de mitigação dos impactos ambientais e sociais, mas não obtivemos resposta.  

Por: Catarina Barbosa e Raquel Setz
Fonte: Brasil de Fato